Pular para o conteúdo principal

A panaceia da redução da maioridade penal


Pensei em começar este artigo dizendo que a atual discussão sobre a maioridade penal é inútil. Mas, na verdade, a palavra mais adequada é "imbecil" mesmo. Desculpem a agressividade, mas fico boquiaberta vendo pessoas que considero inteligentes defendendo a diminuição da maioridade penal como panaceia para o nosso enorme problema de segurança pública. Sinto informar, mas isso não resolveria o problema como vocês acham que resolveria. 




Os políticos que encabeçam esse movimento, que aliás vai contra dezenas de instituições reconhecidas nacional ou internacionalmente, como a OAB e a UNICEF, estão criando um circo em volta do assunto errado.

Sabem o que realmente traria resultados a curto prazo para a questão da violência? O investimento nas penas alternativas, que já são uma realidade em nosso código penal, mas que poucos juízes aplicam, alegando que falta acompanhamento adequado ou que a população considera isso impunidade.

Pois bem, penas alternativas fazem o contraponto da responsabilização x punição. O condenado compensa de alguma forma a sociedade, trabalhando - ao invés de custar em média R$ 1.400 por mês numa cadeia. E, o que é melhor, ele se envolve. É muito comum os condenados continuarem ajudando as instituições como voluntários após terminada a pena. Sabem qual é o índice de reincidência dessas pessoas no crime? 5%. Sabe qual o índice de reincidência das pessoas que saem da prisão? 85%.

Qual é o nosso objetivo? Trancafiar pessoas na cadeia por um tempo (nos livrarmos delas como lixo nesse período), mesmo sabendo que retornarão à sociedade revoltadas e possivelmente ainda mais violentas? Ou queremos que elas deixem o mundo do crime?

É óbvio que alguém que comete um assalto à mão armada, um assassinato, um estupro não tem direito a penas alternativas. A lei já é assim. Só tem direito a ela quem comete um crime sem qualquer violência, por exemplo, furto. E sabem quantas pessoas temos encarceradas hoje nessa condição? Mais de cem mil!! E presas esperando julgamento: mais de 200 mil! Isso quer dizer que temos 300 mil pessoas custando aproximadamente R$ 1.400,00 por mês, do meu e do seu dinheiro, que poderiam estar trabalhando para a sociedade – para mim e para você. Que essas pessoas estariam sendo reabilitadas ao invés de estarem numa escola de crime, sofrendo os maiores abusos possíveis numa prisão superlotada – imagine as condições de uma cadeia com lotação para 2.000 pessoas ter hoje 5.000 presos, misturando assassinos, estupradores, traficantes, com ladrões de margarina.

O que precisamos não é desse circo odioso em torno das discussão da maioridade penal, ou golpes do legislativo na calada da noite. Precisamos de investimentos nas equipes multidisciplinares para acompanhar as penas alternativas. Contraditoriamente, o caminho para melhorar o problema da violência pública é MENOS gente na cadeia, e não mais.

Mas como explicar isso para as pessoas com mente fechada que ganham popularidade inflamando a população contra isso ou aquilo? Essas pessoas não estão preocupadas em resolver o problema, meu caro.

Minha amiga Luana Euzebia, que trabalha com menores infratores – e, portanto, tem muito mais propriedade do que eu para falar sobre o assunto - , escreveu no Facebook:

Penso que não se pode guiar uma nação, criar ou alterar leis com base em exceções. Há jovens violentos, cruéis, que cometem várias infrações e crimes, sim há! Contudo, acredito que a transformação que todos queremos não virá nem será facilitada pela redução da maioridade penal, ao contrário. Precisamos de transformação da estrutura social, de educação de qualidade, de oportunidade de profissionalização e emprego, acesso à arte e cultura para todos. Não é fácil viver privado de tudo isso, menos ainda quando se é criança e adolescente. O Estado foge à sua função e se esconde atrás de movimentos como este, tentando transferir o problema à sociedade, aos jovens, a todos nós. Os adolescentes devem ser punidos sim. obviamente. Mas, o que vimos na Câmara Federal esses dias foi um circo dos horrores, uma luta de egos travados por animais que o povo brasileiro empoderou nas urnas. Isso sim, é o que precisa ser reduzido, eliminado!

A mesma amiga, uma semana atrás, havia compartilhado a seguinte história:

Ir ao mercado e ouvir um "E aí, Luana?!" vindo de trás do balcão e perceber que vem de um adolescente que atendi por muito tempo no antigo Caje e que hoje me diz que a vida mudou, que sempre se lembra dos rap e das atividades pedagógicas e culturais que fazíamos juntos é algo muito gratificante!
Eu chorei...
Aonde quer que vc vá seus frutos lhe seguirão.
‪#‎ReduçãoNãoÉaSolução‬ ‪#‎MaisEscolasMenosCadeias‬

Vamos investir no quê? Em criminosos ou em reabilitação e escolas? Que tal mudarmos o foco um pouquinho?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…