Pular para o conteúdo principal

O perigo da olhadinha no celular enquanto dirige

Os smartphones hoje em dia são praticamente uma extensão do nosso corpo. Temos tanta intimidade com o bichinho, que achamos que é inofensivo dar uma olhadela no Whatsapp ou Facebook enquanto dirigimos. 


Mas isso é, infelizmente, a maior causa de mortes de jovens no trânsito hoje no Brasil e no mundo. Nos "inofensivos" 2 segundos que você leva para atender o celular, o carro percorre 34 metros. Em 34 metros, você pode bater num muro, no carro da frente que parou repentinamente ou atropelar uma criança. A gente acha que não, mas ao dar uma olhadinha naquela mensagem que chegou, 37% da sua atenção é deslocada de onde deveria estar: na direção.

Eu posso compartilhar uma história com vocês. Estava saindo uma noite de casa e resolvi mandar uma mensagem para a pessoa que eu encontraria, digitando apenas: "A caminho", com o carro bem devagarinho. De repente, meu carro estava caído num pequeno barranco e batido na cerca. Como isso aconteceu? Não faço ideia, juro! Na minha percepção, ainda faltavam vários metros para aquela cerca. Olha que sou uma boa motorista e que tenho domínio desse celular, estou nele o tempo todo (como reclama minha filha).
Encarei como aviso, pois poderia ter acontecido algo muito pior, e eu nem sei como. 

E você? Também acha que dá conta, como eu achava? Tenha certeza que todo o resto pode esperar: você não precisa nem ver, nem responder naquele momento. Assista o vídeo abaixo produzido pelo Ministério das Cidades, reflita e tire de vez esse comportamento de alto risco de sua vidas.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…