Pular para o conteúdo principal

Aborto, drogas e livre arbítrio

Sou contra o aborto. Jamais faria um, nem mesmo em condições de estupro ou de má-formação do bebê. Sim, devido à minha crença religiosa. Ponto.




Eu disse MINHA crença?

Pois bem, muitas pessoas não compartilham dela.

Eu acredito que o aborto é a interrupção do curso da vida e tem consequências espirituais para os envolvidos. Mas tem gente que não acredita nisso, né? Podemos provar quem tem a razão? Eu ou eles? A minha crença vale mais do que a dessas pessoas?

Não, não vale.

O que sabemos é que muitas mulheres, seja lá por que motivação (quem sou eu para julgá-las), recorrem a abortos todos os dias - sejam eles legais ou não. E vão continuar recorrendo - sejam eles legalizados ou não.



Eu conheço algumas mulheres que fizeram aborto. Mulheres acima de qualquer suspeita - eu jamais acreditaria se não tivesse ouvido da própria boca delas. Você também possivelmente conhece alguma e apenas não saiba, pois isso não é coisa que se conte por aí.

Acredito que as mulheres deveriam poder optar por isso, sem estar cometendo um crime.
Apesar de que acho que elas não deveriam escolher fazê-lo, que fique claro. 
Como também acho que as pessoas não deveriam fumar cigarros, nem abusar de bebida alcoolica e nem transar sem camisinha, porque são comportamentos destrutivos, que impactam não apenas a pessoa que toma essas decisões estúpidas mas também as pessoas à sua volta e a sociedade de modo geral. Porém não são crimes, não é?



Enquanto escrevo, de verdade me dói o peito imaginar alguém fazendo aborto, sinto uma piedade enorme pela quase-mãe e pelo feto. Por isso é tão difícil escrever que sou a favor da legalização do aborto. Mas sou mesmo. Apesar de ser contra o aborto. [Isso faz algum sentido para vocês?]

Eu sei que homens cometem "abortos" todos os dias por aí. É bem fácil para eles: simplesmente viram as costas e dizem "se vira". Mesmo que a Justiça garanta o direito de pensão alimentícia, não é só isso que a maternidade/paternidade implica. Quem é mãe sabe o quanto é difícil sê-lo. Não estou dizendo que não é maravilhoso e compensador, mas que não é mol-tirar-pel-de-pesgo, não é mesmo.  Acho sim que isso deveria ser uma escolha.

"Mas elas não poderiam levar a gravidez até o final e depois entregar o bebê para doação?" Aaah isso é muito aceitável na nossa sociedade mesmo. #sqn Imagina eu grávida por nove meses, indo trabalhar todos os dias, as pessoas de minha relação me vendo grávida e depois eu digo: "resolvi não ficar com o bebê, dei para adoção". Oi? Isso é aceitável? Ou para o resto da vida eu seria taxada como a desalmada, desumana, bruxa malvada?  

Aí vocês me perguntam... mas seguindo essa linha de pensamento de respeito ao livre arbítrio (acho que essa expressão está escrita em algum livro antigo.... rs), então você também é a favor da legalização das drogas? Minha resposta sincera é: não sei.

Porque ao mesmo tempo que eu acho que isso resolveria um problema seriíssimo de nossa sociedade relativo ao crime organizado - e que não vejo outra alternativa possível para resolver, infelizmente - as pessoas não têm maturidade suficiente para lidar com drogas legalizadas (vide álcool). Sem generalizações, claro. Mas vocês acham que podemos ter o crack com venda liberada, por exemplo?  O crack é uma arma mortal, for God's sake!

No fundo, não sei ao certo se a legalização das drogas incitaria o consumo. Eu não usaria, sendo legais ou não, porque conheço as consequências - como também não fumo, não bebo e não transo sem camisinha. ;)

Ao final desse post, chego àquela famosa conclusão de que só sei que nada sei.

Não temos maturidade nem mesmo para discutir seriamente tais assuntos, que dirá para lidar com eles na prática.

De minha parte, continuarei refletindo, discutindo, questionando... são assuntos sérios demais para deixarmos para serem discutidos apenas nas eleições. Mas também sigo respeitando as opiniões alheias - desde que, claro - elas não desrespeitem as demais. 



[No fim das contas, a camisinha acabou sendo coadjuvante importante neste post. Afinal, se ela fosse usada, restaria apenas o assunto drogas para discutirmos. Vamos falar francamente sobre ela? Participe dessa discussão aqui.]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…