Pular para o conteúdo principal

Fim de relacionamento com homem casado. Vingança?

Você se apaixonou por um homem casado. Não a culpo por isso. Todas estamos expostas e esse risco, e às vezes ele pode ser irresistível. Quer ir em frente? Não sou eu quem vai julgá-la. Mas pense bem para que esta relação lhe servirá - leia mais sobre isso no artigo Ele é casado. E agora?.


Acenda todas as suas luzes de alerta e acione os mecanismos para evitar acidentes, pois saiba: se em qualquer relacionamento você tem chances de chorar, neste, minha amiga, suas chances de acabar em lágrimas devem chegar próximas a 99%.

Mesmo assim vai em frente? Então converse abertamente sobre o assunto com o parceiro e entenda que existem algumas regras éticas envolvidas nesse caso. Ele disse que não vai abandonar a família, que ela é a prioridade dele? Você tem duas opções: aceitar ou cair fora. Vai aceitar? Então respeite.

Ele diz que ele e a esposa não vivem mais como marido e mulher, não dormem mais juntos e tal? Acho que todos dizem isso. Não necessariamente é verdade, ok? Mas você pode convenientemente decidir acreditar nisso. Só esteja, por favor, preparada para o caso da mulher aparecer grávida. 


Num rompimento, o que você NÃO deve fazer


Recentemente, uma amiga querida terminou um relacionamento com um homem casado. Na verdade, ele terminou. Não importam aqui os motivos, apenas que ela se sentiu profundamente humilhada e desrespeitada - sentimentos sobre os quais já falamos no post Relacionamentos: não sabe brincar, não desce pro play

Nessas horas, nossos sentimentos mais baixos são despertados Mwahaha. Vejam o que uma mulher que se sente traída é capaz de fazer: [Por favor, meninas, não façam isso se não quiserem levar um belo processo nas costas depois, ok?]




O fato é que, em seu desejo por vingança, ela teve a bela ideia de montar um blog para contar ao mundo sobre a sua "linda história de amor". Objetivo: ferrar com o cara, óbvio.

E é aqui que entro nessa história: como blogueira, na opinião dela, eu seria uma ótima consultora. Minha tentativa de convencê-la de que ela não estava sendo ética fazendo isso foi em vão. Afinal, na cegueira em que se encontrava, era justo pagar falta de ética com falta de ética. Ela nem ao menos conseguia enxergar que a ética não é uma coisa lá muito presente no início de uma relação extraconjugal.

Se ela fez o blog? Felizmente, não. Porque consegui convencê-la que o estrago daquilo poderia ser muito maior para ela do que para ele.  


Por que você não deve expor uma relação extraconjugal num blog, por mais ódio que esteja sentindo? 


1. Ficar falando sobre o que ocorreu só vai lhe fazer piorar. 
Especialistas alertam que reclamar diversas vezes da mesma situação pode causar transtornos graves. Não que você não possa desabafar com sua mãe ou com uma amiga, mas ficar remoendo essas coisas repetidamente pode ter consequências graves para a sua saúde. Se quiser, depois volte e leia este artigo: Falar demais sobre experiências ruins pode piorar problemas.

2. Expor o caso publicamente, pode piorar a sua situação (e seu sofrimento) de maneira descomunal, porque: 

  • Você está se expondo publicamente. Se, por um lado, as pessoas falarão pra você "coitadinha, ele não poderia ter feito isso!", ao virar as costas dirão: "também, vai ser vagabunda e se meter com homem casado, é isso que dá".
    Triste, né? Mas a verdade é que nossa sociedade é muito mais condescendente com homens que traem do que com a mulher que fica com um homem casado. Machista, né? Bem-vinda ao nosso mundo! 
    É isso que você quer que falem de você? Que quer que sua família e amigos ouçam? Tem filhos (ou um dia terá)? Tanto pior, né?
    Colocando na internet, essa história nunca mais terá fim. É isso mesmo que você deseja? Sofrer pra sempre? Porque, acredite, uma hora ou outra essas coisas virão a tona para tirar sua paz e fazer, mais uma vez, seu coração sangrar. 
    Você poderia pensar: "Ah, mas pelo menos destruo a família dele..." Muito bonito fazer pessoas inocentes pagarem pelos erros dos outros, principalmente se tiverem crianças envolvidas, né mocinha? Mas o que lhe garante mesmo que a família será destruída? Nada. Porque você não acreditaria no número de mulheres que conseguem perdoar uma traição.
  • Você está pedindo para responder dois processos: um criminal - crime contra a honra (difamação) e um cível (danos morais). Já pensou, querida, por uma bobagem dessas, você pegar de três meses a um ano de cadeia e ainda pagar indenização? Lembre-se que mesmo que tudo o que você tenha falado seja verdade, caracteriza difamação. Qual a implicação disso para a sua família, para seu emprego, para seu futuro? Vale a pena?

Se você está lendo isso sem estar com o coração sangrando, possivelmente está pensando: não vale.

Caso contrário, pode estar pensando: quem esta mulher pensa que é pra falar comigo desse jeito? (ok, vejo que você ainda não desceu do pedestal como sugeri no post Não Sabe brincar, não desce pro play!) Pode pensar: com que direito ela fala assim da minha dor, que ela nem conhece?

Verdade, não conheço a sua dor. Fernando Pessoa diz que quem fala de sangue sem sangrar é um impostor. E garanto a você que não sou uma impostora. Mas não estamos falando de mim, estamos falando de você. E aí? O que vai fazer? 

Comentários

  1. Muito bom! Mais uma vez um post cheio de sabedoria! E concordo com você, mas confesso que não entendo quando as pessoas tomam decisões como esta... ainda mais depois de ter passado por um grande sofrimento (que vc conhece muito bem), acho que estou fugindo de coisas que COM CERTEZA me ocasionarão sofrimentos desnecessários. Aprendi a me amar e me proteger... o problema é quando nos protegemos demais,né? Que tal um post sobre isto? :) Ah, e este blog é REALMENTE apenas para mulheres de verdade, conheço um monte que iria se perguntar "quem é ela pra falar assim comigo?" Ahaha! Beijo!!

    ResponderExcluir
  2. olá... encontrei seu blog por acaso e adorei... vc tocou na minha ferida. meu blog fala sobre o relacionamento que tenho com um homem que é casado, e não vejo isso de forma ruim. Da mesma forma que eles tem direito "a liberdade", eu tbm tenho... e essa liberdade para mim é falar sobre meus sentimentos sem ser obrigada a seguir o padrão de "mulher correta".

    ResponderExcluir
  3. Eu não concordo com o post.Acho que só vem mais ainda diminuir a mulher.Pra mim se isso acontece é pq o homem tbm quis,e com certeza não foi forçado.Só não acho bom contar a história ,muita exposição.Se quer que a mulher tome conhecimento manda uma carta e pronto.Acho que ninguém imagina como as coisas acontecem,julgar é fácil.A coisa é séria,muitas vezes estão infelizes mesmo e acabam terminando e recomeçando com a outra.Ou não tbm.Mas para aqueles que querem sair bem na fita dps de tdo o jeito é contar sim.Só pra saberem mesmo.Podem continuar casados,mas ela saberá o que ele fez.Isso já vale.

    ResponderExcluir
  4. Sorte dele que li esse post antes

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…