Pular para o conteúdo principal

Nosso maior temor

Você também tem a impressão de que uma grande parte das pessoas, mesmo as que dizem que gostam da gente, desejam muitas vezes nos colocar para baixo? Já passou por situações em que seu brilho ou felicidade incomodou? Em que foi questionada por parecer arrogante? 

Compartilho com vocês um texto de Marianne Willianson, que sempre me faz lembrar do meu lugar. Leia e coloque-se também em seu lugar ;)




Nosso maior temor
Marianne Willianson

Nosso maior temor não é o sermos inadequados.
Nosso maior temor é sermos desmedidamente poderosos.
É a nossa luz e não a nossa sombra que mais nos assusta.
Nós nos perguntamos:
- "Quem eu sou, para ser brilhante, talentoso, fabuloso?"
Na verdade, devíamos nos perguntar:
- "Quem sou eu para não ser tudo isso?"
Nós somos os filhos de Deus, a criação de Deus. A nossa pequenez não serve ao mundo, não ajuda ao mundo. Não é nada construtivo ou esclarecedor o se retrair, encolher, diminuir, se fazer menor do que aquilo que nós somos, de tal forma a que outras pessoas venham a se sentir inseguras quando perto de nós.
Nós nascemos para manifestar a glória de Deus que existe em nós. Esta glória não está em alguns de nós, ela está em todos nós.
Quando deixamos nossa luz brilhar, nós estamos, inconscientemente, dando permissão aos outros para que a luz deles brilhe.
Quando estamos libertos de nosso próprio medo, nossa presença, automaticamente, libera outras presenças.

Comentários

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…