De repente solteira... e agora?


O senso comum diz que a melhor forma de curar uma dor de amor é um novo amor. Mas muita calma nessa hora! Estar solteira pode ser uma experiência muito rica de autoconhecimento e consolidação de sua individualidade, duas coisas que são fundamentais para seu fortalecimento como mulher e que podem ajudá-la em relacionamentos futuros. Portanto, não tenha pressa em substituir um amor por outro.  

Flickr.com - CC vana_gwen

Conhecendo pessoas novas


Isso não quer dizer que você não deva conhecer pessoas novas. Pelo contrário! Que tal curtir o que a solteirice tem de bom? Uma dessas coisas é a possibilidade de sair com quem quiser, na hora que quiser, conhecer os amigos dos amigos, fazer programas que você nunca fez, ousar coisas novas. Assim, você pode descobrir e gostar de coisas que nunca imaginou que gostaria e também conhecer companhias divertidas.

Uma dica? Procure as amigas solteiras, convide-as para sair ou até mesmo convide-se para sair com elas. No início pode ser meio forçado, você pode se sentir "uma estranha no ninho", mas aos poucos vai se ambientando e tomando gosto. O importante é não desistir caso encontre dificuldades iniciais.

Ok, entendo que às vezes ficamos inseguras para fazer isso, especialmente se estamos saindo de relações longas. Mas temos opções para contornar essa insegurança inicial. 


A internet como aliada para conhecer pessoas


Quando perguntei a um amigo separado recentemente como ele fez para conhecer pessoas novas, ele me respondeu: "Vou confessar: o mundo virtual é o meu forte". Na internet, ele conta que se sentia mais poderoso, que conseguia falar as coisas certas na hora certa, que ficava mais confiante para conversar com as pessoas. 

Mas a pergunta persiste: onde e como conhecer gente interessante na internet? Além das redes sociais, como Twitter e Facebook, há diversos sites desenvolvidos justamente para esse fim. Muitos deles são pagos, em outros você precisará de uma aprovação dos membros do site para entrar, mas há também sites gratuitos em que qualquer um pode cadastrar-se, como o Badoo

Mesmo que você nunca encontre pessoalmente essas pessoas, elas podem lhe garantir distração e boas risadas online. Tudo na segurança da sua casa. 

Falei em segurança? Muita atenção a isso, meninas! Da mesma forma que você não sai por aí contando suas informações pessoais a alguém que acabou de conhecer na rua, também tenha muito cuidado com o que compartilhará na internet. Na rede, as pessoas tendem a se aproximar e a ficar íntimas muito rápido. Isso é bom por um lado, mas pode ser perigoso por outro, portanto, cuidado com o que você fala, ou melhor, escreve. 

Flickr.com - CC Teatro para alguém

Se algum dia você resolver se encontrar com alguém, tente checar se as informações que lhe foram passadas pela pessoa são verdadeiras, opte por lugares públicos e sempre avise alguém onde, com quem e até que horas você estará. 

Se eu acho que conhecer pessoas na internet é mais perigoso que na vida real? Não acho. Pessoas são pessoas. Ponto. Um psicopata pode estar do outro lado da tela do seu computador como pode estar sentado numa mesa próxima à sua no trabalho. Se eu acho que você deve ter cuidado? Sempre

A ideia aqui é conversar com pessoas novas, sobre assuntos novos, distrair-se. Não quer dizer que precise virar uma amizade, uma ficada ou namoro. Desencane dessa seriedade toda! 

Não significa que você não possa conhecer pessoas interessantes que passem a fazer parte de suas relações daqui pra frente. Eu, particularmente, tenho amigos e amigas MUITO especiais que fiz pela internet. Gente importante na minha vida mesmo. E não são poucos!

E você, tem alguma história de amizade virtual para contar?
E quem aqui conhece um namoro ou casamento iniciado na internet levanta a mão? o/  


#publieditorial

Dia da Amazônia... e eu com isso?

Dia 5 de setembro é o Dia da Amazônia e a pergunta que o Greenpeace nos faz é:
Você é a favor do desmatamento da Amazônia e das outras florestas brasileiras? Nem a gente. O Brasil já tem área desmatada suficiente para dobrar sua produção de alimentos; basta que o campo receba investimentos em eficiência na produção e recuperação de áreas desmatadas. É para isso que servirá a lei do desmatamento zero



A lei do desmatamento zero é uma proposta de lei popular, assim como foi a Lei da Ficha Limpa - uma importante conquista da população brasileira que está valendo nas eleições deste ano. 

Para que uma proposta de lei popular seja aceita pelo Congresso, é necessário que venha assinada por 1,4 milhões de eleitores.  

Se você se preocupa com o futuro das nossas florestas, mas até agora achava que não podia fazer nada [além de economizar papel], saiba que pode fazer muito - e sem gastar nada além de 1 minuto do seu tempo - assinando a petição abaixo ou clicando aqui para assinar direto na página do Greenpeace.



Quem quiser, ainda pode participar da competição da Liga das Florestas, ajudar a compartilhar essa causa e concorrer a camisetas e brindes do Greenpeace.

Vai assinar ou ficar aí só reclamando que os políticos não fazem nada para acabar com o desmatamento?
Pra quem assinou, nosso muito obrigada (meu, da minha filha e dos meus netos que ainda vão nascer).

O Perdão e A Cabana

Há algum tempo, imersa nas camadas mais profundas do meu Eu depois de uma grande decepção, comecei novamente a leitura desse livro que havia começado em 2009 e parado ainda nas primeiras páginas. Por que decidi por ele entre tantos outros títulos disponíveis na estante? A única explicação que encontrei foi: aquela era a hora.
Não serei estraga prazeres em contar a história, mas falarei sobre como ela mexeu comigo. 

Lembremos que a mulher que abriu o livro e começou a sua leitura estava destruída emocionalmente e não dormia há quatro noites. Sabia que a dor passaria (sempre passa), mas queria saber quando.  

Nos primeiros capítulos, o assassinato de uma menina de seis anos já remexeu com as coisas dentro dela e fez que com que sua atenção fosse deslocada para quem realmente a merecia: sua filha de quatro anos. Nos capítulos seguintes, compartilhando do encontro com Deus, Jesus e o Espírito Santo narrado na história, foi, a cada novo diálogo, relembrando quem era, relembrando filha de Quem era e de seu lugar no mundo. E assim foi resgatando a si mesma do lugar escuro em que estava.

Foi percorrendo e resignificando seus sentimentos durante a leitura de tal forma que, quando chegou no trecho sobre perdão, já havia há horas dito a quem a ferira que o perdoava. E, com isso, já estava leve e plena novamente, apesar de ainda fragilizada.

Se o livro trouxe alguma novidade? Não. Tudo o que lá estava já era verdade para ela e, talvez por isso, tenha sido tão facilmente assimilado.

Selecionei três trechos que gostaria de compartilhar com vocês, todos eles falas do Espírito Santo ou do próprio Deus ao personagem principal.  


Sobre as nossas verdades e emoções...

- Na verdade, não há muito o que entender. As emoções simplesmente são. Nem boas, nem ruins, apenas existem. Eis algo que vai ajudá-lo a entender melhor: Os paradigmas dão força às percepções e as percepções dão força às emoções. Não se assuste, vou explicar. A maioria das emoções são reações àquilo que você percebe: o que acha verdadeiro numa determinada situação. Se sua percepção for falsa, sua reação emocional a ela também será falsa. Então verifique suas percepções e além disso verifique a verdade de seus paradigmas, dos seus padrões, daquilo que você acredita. Só porque você acredita firmemente numa coisa não quer dizer que ela seja verdadeira. Disponha-se a reexaminar aquilo em que acredita. Quanto mais você viver na verdade, mais suas emoções irão ajudá-lo a ver com clareza. Mas, mesmo então, não confie mais nelas do que em mim.   


Sobre responsabilidades e expectativas...

- Se você e eu somos amigos, há uma prontidão dentro de nosso relacionamento. Quando nos vemos, ou quando estamos separados, há a prontidão de estarmos juntos, de rirmos e falarmos.  Essa prontidão não tem definição concreta: é viva, dinâmica, e tudo que emerge do fato de estarmos juntos é um dom único que não é compartilhado por mais ninguém. Mas o que acontece se eu mudar "prontidão" por "expectativa", verbalizada ou não? Subitamente a lei entra no nosso relacionamento. Agora você 'espera' que eu aja de um modo que atenda às suas expectativas. Nossa amizade viva se deteriora rapidamente e se torna uma coisa morta, com regras e exigências. Não tem mais a ver com nós dois, mas com que os amigos 'devem' fazer ou com as responsabilidades de um bom amigo. 


Sobre o perdão...

- O perdão existe em primeiro lugar para aquele que perdoa, para libertá-lo de algo que vai destruí-lo, que vai acabar com a sua alegria e sua capacidade de amar integral e abertamente. Você acha que esse homem se importa com a dor e com o tormento que lhe causou? No mínimo ele se alimenta de seu sofrimento. Você não quer cortar isso? Ao fazê-lo, irá libertar o homem de um fardo que ele carrega, quer saiba ou não, quer reconheça ou não.
(...)
Eu já lhe disse que o perdão não cria um relacionamento. A não ser que as pessoas falem a verdade sobre o que fizeram e mudem a mente e o comportamento, não é possível um relacionamento de confiança. Quando você perdoa alguém, certamente liberta essa pessoa do julgamento, mas, se não houver uma verdadeira mudança, não pode ser estabelecido nenhum relacionamento verdadeiro.
(...)
O perdão não desculpa nada. Acredite, esse homem pode ser qualquer coisa, menos livre. E você não tem o dever de fazer justiça nesse caso. Eu cuidarei disso.


Então, encerremos falando em perdão. Ele nos liberta e nos desvincula do outro. Perdoar não quer dizer esquecer, não quer dizer que o outro deixe te ter culpa pelo que fez, nem tampouco que você deve se tornar amiga da pessoa. Perdoe, solte as amarras. Não importa o que vai acontecer com o outro a partir disso, porque você já estará muito além.