Pular para o conteúdo principal

O que dizer sobre crianças fashionistas?

Quando o assunto é crianças fashionistas, as opiniões podem ser contraditórias. Apesar de eu achar uma gracinha uma criança vestida como nas fotos abaixo (e sempre parar para admirar a vitrine infantil da Zara), não posso concordar com exageros.





Não posso dizer que acho normal a pequena Suri Cruise, aos 5 anos de idade, ter sido eleita uma das mulheres mais bem vestidas do mundo pela revista Glamour, com um guarda-roupa estimado em 5,3 milhões de dólares! [Na verdade, não considero normal que qualquer pessoa no mundo - exceto a Rainha da Inglaterra (rs) - tenha um guarda-roupa estimado nesse valor, mas o fato de ser uma criança torna o dado ainda mais impactante.] 

Suri Cruise
Em abril de 2011, uma reportagem sobre o Fashion Weekend Kids que trazia entrevista com socialites brasileiras me deixou chocada. "Eu não imagino minha filha colocando uma roupa da Renner nem pra dormir" - disse uma delas. Quando li, pensei: "Eu também não! Porque as roupas infantis da Renner são muito caras, jamais deixaria minha filha dormir com elas."

Não adianta eu tentar entender o que se passa na cabeça dessas pessoas, porque nós pertencemos a mundos diferentes. Fico imaginando que elas foram criadas exatamente como estão criando as filhas agora e, portanto, são literalmente sem-noção da realidade. Ou não. Porque a realidade delas é outra. E não é menos real que a nossa, apesar de ser para uma minoria. [Só que entender isso não me faz ficar menos perplexa com as coisas que elas pensam e falam como sendo naturais.]

Mas voltemos ao mundo dos reles mortais...
Eu adoro vestir minha filha toda bonitinha. Muito paty que sou, antes de ela nascer imaginava como estaria sempre arrumadinha e nhem-nhem-nhem. 

Mas sabem qual é a realidade? É que ela precisa usar roupas confortáveis pra correr e se sujar à vontade - sem fazer a mãe chorar por ter manchado "justo aquela roupinha" [e, aliás, como mancham!]. Minha filha não usa saltinho como o da Suri na foto acima, simplesmente porque não quero que ela tenha seus movimentos limitados, problemas ortopédicos ou que tropece e se machuque. [Anjos-da-guarda de crianças já trabalham muito, não precisamos dar ainda mais serviço a eles.]  

A realidade é também que minha filha tem personalidade forte [eu diria que como todas as crianças dessa geração] e os looks que ela escolhe nem sempre são os mais, digamos, coerentes. Então, simplesmente deixo que ela crie seu estilo-árvore-de-Natal. [ok, confesso que só às vezes: dependendo do lugar que nós formos, eu escolho a roupa e pronto. Sem democracia. "Sua mãe sabe mais", trecho de uma canção do desenho Enrolados, é muito cantado aqui em casa.]

Outra parte da realidade é: roupas de crianças são muito caras. E duram 6 meses, um ano no máximo! Aí aquele vestido lindo e carésimo será usado apenas uma ou duas vezes [porque claro que ela não irá em todas as festas com a mesma roupa, não é mesmo?].       

Acho que o segredo da questão está, como sempre, no equilíbrio. Aos quase 5 anos de idade, minha filha é toda ligadinha em saias, vestidos, maquiagens e acessórios. Mas também fica mulambentinha em casa e na escola  - e volta da casa do pai com umas combinações de roupas que... oh my god! 
E é linda e feliz desse jeito, que é o que de fato importa. 

Com vocês... minha princesa:

Minha Amanda - maio/2012 (4 anos)

No primeiro look: ela com seu A-M-A-D-O vestido da Renner (verdade!) e sandalinha transparente que está super na moda (velhinha... herdada da prima mais velha). No segundo: calça jeans (que ela não gosta e sempre reclama pra usar) e as botas que são seu sapato predileto.  

Comentários

  1. Como sempre, ótimo texto e linda filha!

    ResponderExcluir
  2. Eu que ainda não tenho filhos, imagino quem quando tiver uma menininha, quero deixá-la como uma princesa. Mas sei que no dia a dia a realidade é bem diferente.
    Não adianta enfeitar a criança como uma top model mirim, se ela não vai poder ter toda a liberdade de uma criança para poder brincar a vontade. Nenhuma mãe quer ver sua filha rolando no chão com o vestidinho mais caro da lojinha tal.


    Adorei suas palavras!!! :D

    ResponderExcluir
  3. Excelente texto e posicionamento, Ana!
    Crianças são lindas, todas, independente do que vistam!
    Sua filha é uma fofa! Parabéns pelo cuidado e pela educação que você dá a ela! Tenho certeza que crescerá uma adulta bacana!
    Bjs, Karina Camerino

    ResponderExcluir
  4. Espera ficar adolescente. Vai ter uma sócia que que eventualmente suja a sua roupa e quando vai usar (as amadas da Renner, CeA e até Zara) foram para a escola fazer educação física...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…