Pular para o conteúdo principal

Amor ou paixão: o que preferir?



A novela "A vida da gente" levantou uma interessante discussão sobre amor e paixão. O que precisamos saber sobre a história para debatermos o tema é o seguinte:
Duas irmãs dividem o amor do mesmo homem num contexto muito peculiar. A primeira vive com ele uma grande paixão de juventude que tem como fruto uma criança. Influenciada pela mãe, afasta-se dele. Devido a um acidente, entra em coma, quando a irmã assume os cuidados com a sobrinha. Ela chama o pai à responsabilidade, ajuda-o a crescer como pessoa para que possa desenvolver-se em sua paternidade e, ao longo dos anos, acabam construindo uma relação de amor e casando-se. A irmã acorda do coma depois de 5 anos, quando começa a confusão de sentimentos. 

Na internet, o público manifestava opiniões contrastantes: uma parte queria que ele ficasse com uma, outra parte queria que ele acabasse a trama com a outra.      

O que teria mais valor: paixões avassaladoras ou um amor sólido construído pela relação

Em nossa cultura ocidental, embora no discurso o amor seja mais importante, o que nos move mesmo são as paixões. Queremos uma paixão de nos tirar o fôlego, que invada nossos pensamentos e nos faça manter o sorriso bobo durante todo o dia. Ansiamos pelo coração batendo acelerado e por todas as descargas químicas que, convenhamos, nos deixam até meio desequilibradas. 

Foto: Love is parking - DesertMonsterBell

Para nós, o caminho certo dos acontecimentos é: uma grande paixão que, com o tempo - dois anos é o que dura uma paixão, dizem os estudos -, vai se transformando em amor - será que em muitas vezes não se transforma é em costume e comodismo?

Nas regiões em que o casamento acontece por arranjo, o fluxo das coisas ocorre de modo diferente. É claro que nós vamos pensar: "Nós estamos certos e eles errados. Como eu poderia casar-me com alguém que nem conheço? Como poderia relacionar-me com uma pessoa sem paixão?" 

Lembro-me de uma colega de faculdade que era cigana e tinha um noivo prometido. Achava muito interessante ouvi-la contar suas histórias - apenas a parte permitida, porque muita coisa não pode ser compartilhada com quem não é cigano. Para ela, aquilo tudo era muito natural e, em momento algum, ela mostrava descontentamento ou medo de que seu casamento não fosse bem sucedido, que não viesse a amar o marido. Poderia acontecer? Possivelmente - não existem mães que não amam seus filhos e vice-versa? Mas a possibilidade de construção do amor também existe, não é mesmo? E se existe uma boa vontade proveniente de fatores culturais, essa possibilidade se torna ainda maior.

Gostaria de encontrar uma pesquisa sobre a felicidade das mulheres casadas aqui e lá. Será que nós somos mais felizes porque nos apaixonamos e casamos com quem escolhemos? 

Mas se nossos pais não vão nos arranjar um bom casamento, do que essa discussão toda nos adianta?

Bem, meninas, para estarmos atentas. No post Don Juans: mantenha distância... Ou não eu falava sobre o tipo de homens que gostamos, mesmo sabendo da grande possibilidade de haver "gritos e ranger de dentes" ao final. "Onde estão os homens decentes? Na sua zona de amizade, bem onde você os deixou".   

Como bem disse uma amiga: "Se o amor batesse à nossa porta, possivelmente não o deixaríamos entrar." Não é isso o que queremos. E, o mais contraditório, é exatamente isso que queremos, que sabemos que nos fará felizes, só que partimos do principio de que só acontecerá se seguido de uma grande paixão. 

Mas... será mesmo?




Agradeço às minhas queridíssimas amigas Paula e Andreia que me contaram a história da novela - já que não assisto televisão desde 2009 - e empreenderam comigo toda essa reflexão numa saída de sábado à noite. Algumas mulheres vão pra balada, outras entretem-se em debates filosóficos... hehehe. 

Comentários

  1. Ola! Vim até seu blog pela divulgação do ambiente Wiki BB... Gostei muito da sua escrita, do tema que lançou, e do jeito que debateu. Vou te seguir sempre!
    Sobre o que escreveu... Eu tbm nao assistia direito a novela, mas sempre que via algum pedacinho, sentia que estava na cara que o amor verdadeiro estava naquela relacao duradora de amor entre tia e o pai da menina.
    Um abraço

    Monica

    http://opinandoemtudo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. O ideal seria que o amor fosse apaixonado por uma vida inteira, assim a chama que uniu um dia nunca terminaria... nada poderia abalar.

    Beijos e Boa Pascoa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…