Pular para o conteúdo principal

Existe vida durante e após a depressão - download gratuito

Escrevi o livro Existe vida durante e após a depressão em 2002 quando eu tinha 24 anos. Na época, eu saía de um quadro depressivo e queria compartilhar com as pessoas que a cura da depressão é possível. Fiz um site simples que ficou no ar por um ano, no qual disponibilizei o livro em pdf para download

Ainda não tínhamos as redes sociais para possibilitar uma fácil interação, mas recebi alguns feedbacks por email. Lembro-me bem de uma brasileira que morava em Portugal, que contou que o grupo de terapia do qual ela fazia parte trabalhou o livro em suas sessões - após ela ter adaptado algumas expressões para o português daquele país.   

Imagem: Clarissa Rossarola Flickr cc

Como explico na apresentação do livro, é uma história fictícia. Na época, eu ainda era uma jovenzinha recém-casada e sem filhos e não passei por muitas das coisas que a Maria Cristina, personagem principal, viveu. Essas coisas tomei emprestadas da vida de outras pessoas, como a passagem de uma querida tia por uma clínica pelo mesmo problema.   

Eu tenho histórico familiar de depressão e comecei a apresentar alguns sintomas dessa doença a partir dos 16 anos. Eles agravaram-se em 2001, quando aos 23 anos me mudei para Brasília. Passei por um tratamento longo de psicoterapia e tomei anti-depressivos por dois anos. Hoje posso dizer com alegria que isso tudo ficou no passado e a depressão não faz mais parte da minha vida. Curada! O que não quer dizer que eu não esteja sempre alerta, porque só quem já passou por isso sabe o medo que se tem de cair novamente.

Relendo o livro, penso que muita coisa eu escreveria diferente hoje. Possivelmente o marido e a mãe de Cristina não seriam pessoas tão iluminadas e tornariam a situação ainda mais difícil - porque é isso o que acontece muitas das vezes. Por outro lado, pode ser bom que as pessoas que convivem com familiares em depressão saibam como gostaríamos que agissem conosco.

Quem quiser ler a história de Cristina e descobrir como ela conseguiu vencer a depressão, pode fazer o download gratuito do livro abaixo.


Existe vida durante e após a depressão
Escrito por Ana Barcellos
Brasília, 2002 (25 páginas)


Comentários

  1. Olá Ana,

    Passei por um processo depressivo lá pelos anos de 1983/1986, tive sessões de terapias, medicamentos e na época, a equoterapia. Sei que foi duro superar, mas dai que também procurei auxilio na doutrina espirita.

    Hoje faz parte do meu passado e também é uma maneira de auxiliar nosso semelhante lá no CELE.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Só passei processo depressivo consciente cerca do 6/7 mês de tratamento da hepatite c e agora que terminei o tratamento, ainda tenho que tomar o antidepre de dia e 1 ou 1/2 calmante para dormir. Herança do tt como dizem... espero me livrar logo deles, pois antes do tt eu não tomava nada e dormia bem. Sei que hoje em dia, pelas minhas pesquisas com pessoas, muitas pessoas tomam esses remédios naturalmente pelo stress e correria do mundo atual...

    ResponderExcluir
  3. Olá querida não consigo fazer o download do seu livro, gostaria muito de ler, o link ainda esta ativo?

    ResponderExcluir
  4. Oi, Luciana! As pessoas têm reclamado mesmo que não têm conseguido baixar, mas não consigo encontrar qual é o problema. Se quiser, deixe seu email num comentário ou mande ele no contato aqui do blog para que eu possa te enviar.
    Beijinho!

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana
    Você poderia enviar o livro no formato PDF pra mim no email claudio_santos_2000@yahoo.com.br, também não consigo baixar pelo link. Obrigado

    ResponderExcluir
  6. Se estou mim tratando da depressão, e quero muito melhorar pois tenho uma filha linda que precisar muito de mim.

    ResponderExcluir
  7. Joana, continue em frente! Você também vai conseguir. Torço por você!

    Um abraço,
    Ana Flor

    ResponderExcluir
  8. Ola, poderia me enviar o livro no meu email: francinioliv@hotmail.com?
    Eu estou em depressao ha mais de 4 anos, e tenho sintomas fisicos de dores fortes demais, colicas mesntruais infinitas q nunca acabam, tudo esta desregulado, penso muito em morrer. Preciso de ajuda.

    ResponderExcluir
  9. Por problemas técnicos, não estou conseguindo responder cada comentário. Mas as respostas estão sendo encaminhadas para os emails que vocês deixaram aqui.

    Consegui arrumar o link para download do livro. Podem clicar que agora vai dar certo. :)

    Um abraço a todos e NÃO DESISTAM!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…