Pular para o conteúdo principal

A Bela e a Fera




Era uma vez um lindo príncipe que, por sua arrogância e vaidade, foi transformado em fera por uma feiticeira. O encanto apenas seria quebrado quando ele amasse e fosse amado verdadeiramente, o que deveria acontecer antes da última pétala da rosa encantada cair. 

Era uma vez uma Bela que teve medo da Fera, mas ele foi carinhoso e gentil. Esforçou-se muito para que ela o deixasse entrar em sua vida. Ela deixou. Entregou-se por inteiro e permitiu que ele se envolvesse no que tinha de mais precioso: sua família.

Por trás da Fera existia uma pessoa doce e cheia de potencialidades. Mas, por fora, era mesmo um animal meio rude e arredio. Mas isso era só às vezes.  

Bela acreditava nas pessoas e acreditava quando a Fera falava sobre o quanto queria amar e ser amado por ela. Outras belas haviam estado por ali e ele demonstrara incapacidade de fazê-lo. Mas pediu que ela ficasse, disse que seria diferente. E ela ficou.

Ela não entendia: se ela o amava verdadeiramente e ele dizia sentir o mesmo, por que ele ainda vestia a imagem de Fera? Alguma coisa não fazia sentido.

De repente, quando tudo parecia estar caminhando para o final feliz, a rosa encantada começou a murchar. Bela desesperou-se, mas deixou que a Fera fizesse as coisas ao seu modo. 
Mais uma vez, ele pediu que ela não o deixasse, que compreendesse, que provasse o seu amor. Ela esperou.

Só que, alguns dias depois, a última pétala caiu. E enquanto Bela ainda chorava a visão da pétala caída ao chão, ouviu verdades que a Fera lhe escondera.

Chorou ainda mais. Fera, dominada pelos sentimentos mais baixos, rasgou o peito de Bela com suas garras e arrancou seu coração. Talvez pretendesse mantê-lo com ele. Ou talvez quisesse apenas causar ainda mais dor. 

Bela, sangrando, apoiou-se nos amigos que lhe estendiam a mão e tomou seu coração de volta: "Você não terá mais nada do que é meu!" 

Bela costurou o coração dentro do peito e ele continuou batendo, porque ela era mais forte que tudo aquilo.

E a Fera não deveria ter morrido? Bem, de certa forma ele morreu...

Comentários

  1. Tenho certeza que o coração da Bela baterá ainda mais forte por um sortudo ainda por vir, que retribuirá em medida ainda maior essas batidas, compreendendo as cicatrizes no peito da Bela e compartilhando as que tem no seu próprio. Os dois se amarão e viverão felizes-para-sempre-que-possível.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…