Pular para o conteúdo principal

Ano Novo e Identidade Brasileira

Fim-de-ano é época de trocarmos belas mensagens de ano novo. Algumas nos tocam em especial, pelo carinho que trazem embutido em seu conteúdo. Outras, além do carinho, fazem com que nos sintamos diferentes ao acabar de lê-las. Este é o caso da mensagem que compartilho com vocês abaixo, enviada pelo meu eterno diretor Heraldo Palmeira*.

Com ela, agradeço aos queridos leitores pelo ano que passamos juntos e desejo que o ano novo venha cheio de amor de verdade e sonhos de verdade! Apreciem a mensagem e recebam o novo ano com o coração aberto.

*Heraldo Palmeira é diretor, produtor, patrocinador e grande incentivador 
do meu filme Hepatite C, Sem Medo. Grande pessoa, grande coração...

Imagem de domínio público


Caros amigos,

Em primeiro lugar, quero agradecer e retribuir todas as mensagens que recebi - e ainda vou receber - com votos de boas festas. A todos vocês, gente que gosto, apresento minha mensagem de final de ano, num momento em que estamos prontos para receber o ano-novo da melhor maneira.

Lá embaixo indico um link que, asseguro, vale cada segundo. É uma amostra da boa arte que o Brasil não cansa de produzir e que nenhuma pasteurização midiática consegue corromper. Apesar de toda a agressão que sofre nossa música popular, é reconfortante perceber que há sempre gente muito talentosa agindo, fazendo sua arte, vivendo e dando vida às nossas melhores expressões artísticas. E contando com o apoio de empresas que apostam em outras ações e mídias, como aqui é o caso da rede de lojas Luigi Bertolli, que bancou a produção.

Depois que a música chegar ao fim, sugiro permanecer um pouquinho mais vendo o vídeo, de modo a conhecer os artistas que acabaram de se apresentar. Encontrar gente do porte de uma Luê (Belém do Pará), Bule-Bule (Salvador), TKaçula (Casa Verde, São Paulo), Samuel Macedo (Nova Olinda), Di Freitas (Juazeiro do Norte), Guilherme Kastrup (Lapa, São Paulo), Calixto (Campo Limpo, São Paulo), Zulene Galdino (Crato), Orlando Costa (Bonfim, Salvador), Marinez e Marias do Côco Frei Damião (Juazeiro do Norte) reaviva nosso direito sagrado de lamentar que artistas de extremo talento, como eles e tantos e incontáveis outros, sigam excluídos do mercado principal da música. Fica a impressão de que o país, certamente para defender e dar continuidade à sua melhor tradição musical, gera dezenas de Luês, Bule-Bules, TKaçulas, Di Freitas, Guilhermes, Marinezes e Marias...





Um único lamento me resta, esse contra a teimosia de os produtores jamais incluírem informações indispensáveis. Neste caso, além da ficha técnica da produção, "esqueceram" de registrar que, por meio desse vídeo, nos foi dado flutuar pela extraordinária Brasil pandeiro, uma música do compositor baiano Assis Valente. Sem contar o coco Linda flor, inserido como música incidental no arranjo, e que caiu como um achado delicioso e inventivo.
Com a curiosidade incendiada, tanto procurei que terminei falando diretamente com a própria dona Marinez, alcançada por mim na sua casa no interior do Ceará. Em conversa longa e agradabilíssima para mim, pude, entre muitas histórias ótimas, descobrir o título da música (Linda flor) e que foi composta por ela mesma para homenagear todas as mulheres. Oxalá, um dia, os produtores culturais e todos nós aprendamos a valorizar os créditos artísticos e históricos como parte integrante das obras. Afinal, esse é o caminho único para, além de cumprir a legislação, respeitar e reconhecer os profissionais que realizam maravilhas como esta, e proteger e perpetuar nossa memória.

Recebam essa pérola audiovisual como minha mensagem de ano-novo. Espero que em 2012 todos nós, mantendo a indispensável criticidade, façamos um pouquinho mais de esforço para sentir orgulho brasileiro em nossas almas - como fazem esses artistas todos os dias. Que cada um de nós, além dos produtos culturais que já consumimos normalmente, leia mais um livro, ouça mais um disco, veja mais um vídeo ou filme, visite mais uma exposição de artes plásticas, mais um museu, troque mais ideias com as outras pessoas, dê um pouco mais de atenção aos artesãos, aos artistas de rua, à possiblidade de incluir o belo nas próprias fotografias que fizer...

Que práticas simples assim nos sejam úteis e recompensadoras. A ponto de permitir que tiremos desse consumo cultural novas centelhas para incendiar a curiosidade, para nos encantar com novidades, informações e ensinamentos que nos levem a colaborar no esforço coletivo em busca do país que tanto desejamos. Algo que nos liberte dessa escravidão digital imbecilizante e nos restabeleça o gosto pela saborosa contemplação do mundo ao nosso redor, por uma boa prosa livre de celulares e de outras bugigangas eletrônicas da moda. Algo que nos leve a trilhar de novo o caminho de associar pessoas, coisas, fatos e descobertas como forma de aprendizado e manutenção da nossa gênese cultural, daquele jeito como sempre nos foi orientado por nossos melhores professores. Algo que combata nossa má educação generalizada, que tanto dificulta a convivência diária e cria para o país esse desagradável cotidiano que está posto nas ruas. Algo que reforce nossa identidade com este Brasil velho de guerra, tão controvertido e tão adorável.

Que nos venha um ano-novo dos bons! Grande abraço, na certeza de que, de muitas maneiras, nos encontramos representados aqui.


Comentários

  1. Muito legal, Ana! Um ótimo 2012 para nós, brasileiros.

    Beijos. :)

    ResponderExcluir
  2. Maravilha!!! Beleza de arranjo musical, combinando vários artistas quase desconhecidos.
    Parabéns Heraldo pela percepção e divulgação.
    Parabéns Ana pelo teu belo trabalho de sempre.
    Conheço todas as cidades dos artistas envolvidos, destaco o projeto Casa Grande, de Nova Olinda/CE uma idéia que não para de crescer, uma semente que dá belos frutos.

    ResponderExcluir
  3. Lindo o texto do Heraldo! O vídeo? Sem palavras...alimentou minha alma! Feliz 2012!!! bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…