Pular para o conteúdo principal

Sustentabilidade e a parte que me cabe


Vocês já conheceram aqui no blog o projeto Común Tierra, que há um ano e meio vem rodando a América Latina visitando, documentando e compartilhando práticas de comunidades sustentáveis
Comunidades sustentáveis??? Isso existe? Felizmente que sim! 

Eu, que me julgo socioambientalmente responsável (Eco-chata, segundo meu ex-marido), tento adotar práticas sustentáveis no meu dia-a-dia. Mas, fazendo a auto-crítica, não dá pra ser totalmente sustentável nessa vidinha capitalista de classe média que levamos.

Assista ao vídeo abaixo e me diga se você também acredita!
Eu não apenas acredito como agradeço que no mundo tenhamos pessoas como a Leticia e o Ryan fazendo um trabalho lindo como esse - que eu, no conforto da minha vidinha, não me disponho a fazer. 

Acredito, agradeço e apóio! 
Eu quero que o Minhoca atravesse o Canal do Panamá e chegue na América do Sul. E você?




Faça sua doação. Faltam apenas 5 dias e menos de R$ 500,00 para a meta ser alcançada!
Para doar, acesse: Común Tierra na América do Sul. É bem fácil!


Compartilho abaixo a mensagem da Leti Leticia:

Amigos,
Escrevemos pra vocês porque esse é um momento muito importante do nosso Projeto Común Tierra!


Eu, Leticia Rigatti e Ryan Luckey stamos viajando há um ano e meio desde o México por toda América Central documentando comunidades sustentáveis e projetos ecológicos na América Latina, ensinando sobre formas sustentáveis de viver a milhares de pessoas. No último ano documentamos mais de 50 projetos, fizemos mais de 20 vídeos educativos sobre sustentabilidade em 3 idiomas e partilhamos muitíssimos conteúdos sobre sustentabilidade de forma gratuita pela página: www.comuntierra.org.


Ensinamos através dos conteúdos do site e em workshops sobre formas de reinventar-nos e aprendermos juntos a viver uma vida sustentável, que seja digna para as próximas gerações, pra nossos filhos e netos. Vamos trabalhando nesse projeto com todo nosso coração e dedicando integralmente a nossa vida para aprender e ensinar gratuitamente. Porque acreditamos que podemos fazer a mudança que precisamos. Todo resultado do nosso trabalho é 100% acessível porque queremos envolver mais pessoas nessa causa. Sabemos que é preciso.


Nesse momento estamos em vias de cruzar o Canal do Panamá e finalmente chegar no sul da América. É um momento simbólico onde vamos poder conectar o continente com esse trabalho e também muito desafiador, pois tem um altíssimo custo para enviar a Minhoca, o veículo que viajamos e usamos como demostrativo de eco técnicas. É um valor muito mais alto que todos que já tivemos nessa viagem!


Para poder chegar na América do Sul precisamos de apoio. Precisamos mesmo. Por isso iniciamos essa campanha. Para que você, seus amigos, seus conhecidos possam apoiar. Toda e qualquer ajuda vale muito a pena, pois esse é um projeto com alto impacto, com informação livre e democrática, com conteúdos unicos somente encontrados porque viajamos pesquisando os melhores exemplos de sustentabilidade que podemos partilhar com o mundo. E de graça.


Por isso pedimos, sua ajuda, será fundamental para a continuidade desse trabalho.


Ajude o Común Tierra a prestar esse serviço para o mundo!


Link para doar na Campanha:
http://catarse.me/pt/projects/425-comun-tierra-no-sul-da-america-comun-tierra-in-south-america

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…