Pular para o conteúdo principal

E viva o rabo do tatu!

O post Resumo da obra em 05 parágrafos - por @Alma_Livre, publicado ontem no Retratos da Alma, me deu a gostosa oportunidade de relembrar a escolha mais importante que já fiz e que busco colocar em prática a cada dia: ser feliz.

Isso pode parecer meio senso comum, uma vez que, teoricamente, todos os seres humanos querem ser felizes. Só que existe uma grande distância entre desejar ser feliz e efetivamente agir para isso. Para o segundo, é necessária a coragem de fazer escolhas e de encarar as suas consequências. 

Neonihil - Flickr CC



As palavras da @Alma_Livre também me fizeram lembrar o dia em que ouvi a música Viva de Kleiton e Kledir, sentindo de verdade cada palavra - ocasião em que ela se tornou um hino para essa minha fase de vida.






Viva
Kleiton e Kledir
Composição: Kledir

Viva a alegria
E viva o prazer
De estar gostando de viver
Viva o oxigênio
Que invade o nariz
E faz a gente ser feliz
Viva a natureza
Deusa da beleza
Mãe das coisas que são boas
Viva a harmonia
O beijo na boca
E quem sabe fazer amor
Viva a alegria
E viva o prazer
De estar gostando de viver
Viva a maravilha
Que somos eu e tu
E viva o rabo do tatu


Uma coisa eu garanto: no meu Epitáfio nunca estarão escritas as palavras cantadas pelos Titãs nessa outra música que reflete muito bem a minha busca. Ainda tenho muitas coisas que preciso aprender melhor, como a dormir mais, a levar algumas coisas menos a sério e a ser menos exigente comigo mesma. Mas estou a caminho...





Epitáfio
Titãs
Composição: Sérgio Britto

Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...
Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração...
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...
Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier...
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...(2x)
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr...

Comentários

  1. Querida Aninha,

    Que felicidade a minha em saber que meu texto tocou sua alma. Meu desejo ao escrever é que o leitor continue meu texto em sua vida, pois acredito que a arte, qualquer que seja - literatura, música, pintura, escultura, dança - somente atinge seu objetivo quando toca o outro!

    Teu texto é lindo! Amei te ler, e amei saber que você escreveu fez a escolha de ser feliz há muito tempo! Tenho certeza que, por ser assim, é fonte de luz para quem te cerca.

    Um grande beijo,

    Alma Livre

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana,bom dia!
    Aqui estou eu visitando o seu blog.
    A sua história me tocou muito. Achei muito legal a idéia de você escrever para sua filha.
    Mas, se Deus quiser, vocês duas poderão conversar muito ainda, pois conheço muitas pessoas que venceram essa doença! Tenha fé em Deus!
    Como já lhe disse no e-mail, eu comecei a escrever num momento muito difícil de minha vida: a morte de minha sobrinha Júlia, aos 7anos.
    De lá pra cá, fui melhorando, mas a vontade de escrever só aumentou.
    Escrevo sobre os mais variados assuntos do meu cotidiano, dentre os quais, maternidade e adoção. Se quiser conhecer meu blog, será um prazer.
    Um grande abraço, que Deus a abençoe.
    Adelisa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…