Pular para o conteúdo principal

A coragem de fazer escolhas

"Crescer é ter de fazer escolhas, sendo que nenhuma das duas coisas a escolher deixará você plenamente feliz”. Ouvi esta frase certa vez num filme da sessão da tarde, e ela fez tanto sentido que ficou gravada.

É assim que as pessoas escolhem, por exemplo, permanecerem casadas ou se separarem. Na verdade, ganha-se e perde-se com qualquer uma das escolhas. Portanto, a melhor forma de decidir é colocando ganhos e perdas na balança para verificar para que lado ela pende (minha mãe me ensinou isso).

Separação
Teatro para Alguém - Flickr CC

O problema é quando as pessoas nem percebem que estão fazendo escolhas. Levam a vida num pretenso determinismo, como se não houvesse alternativa, como se sua influência no rumo das coisas fosse reduzida. E não é. 

A questão é que fazer escolhas implica em ter coragem. E isso nem sempre as pessoas têm (ou querem ter). Para falar sobre coragem, volto à filosofia dos filmes, desta vez ao longa Ilha da Imaginação, que minha filha assistia hoje mais cedo:

Coragem é uma coisa que a gente tem que estar sempre aprendendo e reaprendendo a vida toda. Ela não está em você, está em cada escolha que você faz, a cada dia.

Profundo e verdadeiro, não?

Pra ser feliz, é preciso muita coragem. E, como muitos de vocês sabem, esta foi a minha escolha. Na prática, para concretizá-la, tomo decisões que fazem com que as pessoas me achem corajosa (às vezes, meio louca). Mas, na verdade, eu não sou (nem uma coisa nem outra) – como diz a citação acima, a coragem não está em mim, mas eu a busco em cada passo.

Se eu precisasse escolher hoje apenas uma coisa que eu gostaria que minha filha tomasse como exemplo na mãe seria esta: coragem de ser feliz. Sabendo que será preciso quebrar alguns ovos e encarando isso de cabeça erguida.

Como diz uma frase que eu adorava repetir quando criança: “a coragem é o cúmulo do medo”. Pode ser. No meu caso, é possível que seja o cúmulo do medo de levar uma vida medíocre, sem cor e sem luz.


vida_plena
vana_gwen - Flickr CC


O amor é a vida acontecendo no momento:
sem passado, sem futuro, presente puro,
eternidade numa bolha de sabão...
Ruben Alves


Você também pode gostar de:

Comentários

  1. Olá Ana,

    Aprendi a tomar decisões e fazer escolhas já um pouco tarde (depois da adolescência). Acertei a maioria e errei algumas. Nunca me arrependi, principalmente na profissão, no casamento e na paternidade. Toda moeda tem dois lados e as escolhas também. Certo estou também na escolha na leitura desse artigo.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Que profundo seu texto. Embora curto em tamanho, você trata de uma questão que permeia a minha vida. Fazer escolhas... Me fez pensar bastante nisso.
    Obrigado, mais uma vez por trazer à tona algo tão importante pra construção da felicidade diária de cada um de nós.

    ResponderExcluir
  3. olá Ana
    Eu busquei uma mensagem de ter coragem para tomar decisões, e encontrei este, achei muito sábio, me ajudou bastante.Parabéns! Agradeço. Grande abraço.

    DT

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito da mensagem. Estou em um momento que a coragem para mudar é minha única chance de dar uma guinada na minha vida. Nos acomodamos, nos acostumamos com tudo e, sem perceber estamos literalmente PARADOS NO TEMPO... NÓS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA NOSSA FELICIDADE!!! Parece piegas, mas há muito tempo me esqueci de cuidar de mim!!! E ENTÃO CRIEI CORAGEM E DECIDI!!! O PROMEIRO OPASSO FOI DADO, OS OUTROS TENHO CERTEZA QUE VIRÃO NA HORA CERTA! POIS DEUS ESTÁ AO MEU LADO!!NÃO ESTOU SÓ Obrigada! muito sucesso para vc! Paty

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…