Pular para o conteúdo principal

A união homoafetiva na época do preconceito em massa

Em tempos de discussão sobre o material do MEC contra homofobia, alcunhado preconceituosamente de kit gay, e do julgamento no Supremo Tribunal Federal do reconhecimento da união homoafetiva (sessão do STF interrompida ontem que será retomada hoje), você já parou para refletir sobre o que realmente acha sobre lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros?

Mais do que isso, já pensou que apesar de ter o direito de ter uma opinião pessoal sobre o assunto, ela efetivamente não interessa? Quero dizer: se você acha certo ou não, normal ou não, o problema é seu. Agora o problema passa a ser nosso no que tange ao princípio de igualdade absoluta expressa em nossa Constituição Federal. Igualdade que, mais do que legal, é moral.

Esses dias uma pessoa muito querida me perguntou pelo Gtalk: "Amiga, você é preconceituosa? Continuaria minha amiga se soubesse que namoro uma mulher?" Ao que respondi: "Óbvio, né"  e a conversa precisou ser interrompida.

No dia seguinte, perguntei a ela se tratava-se de uma situação real ou hipotética. "Real", ela respondeu. E completou: "Mas não queria perder sua amizade". Respondi na hora: "Boboca".

A conversa tocou-me muito. Não pelo fato de ela namorar outra mulher, porque isso não faz diferença alguma pra mim. Lembro-me do Renato Russo falando numa entrevista que "amava pessoas", independente de sexo. Sendo bem sincera, a única pessoa que eu não gostaria que me revelasse ser gay seria o meu marido, por motivos óbvios - mas, como hoje não tenho marido, não corro esse risco.


The Death of Hyacinthus - Merry-Joseph_Blondel, (Domínio Público)‎

Não vejo motivo para impedir que um amor (ou atração física) se concretize porque aconteceu entre duas pessoas do mesmo sexo. Tem gente que diz que isso não é natural, que é contrário a Deus ou até que é um transtorno mental. Desculpem, mas não concordo com nada disso. Respeito as opiniões baseadas em crenças religiosas, desde que elas também respeitem as pessoas - como Jesus ensinou com seu exemplo.

Aqui eu enfatizaria que nunca tive nem pretendo ter experiências homossexuais, mas, de certo modo, seria preconceituoso querer deixar isso claro, né?

Voltando ao que me deixou tocada com a situação: o receio dela de perder pessoas por causa disso.

Que raios de sociedade preconceituosa é essa que faz com que seus membros tenham sentimentos como esses? Ok, deputado Bolsonaro explica: quando perguntado no Programa CQC (veja vídeo aqui) o que faria se tivesse um filho gay, respondeu: "Isso nem passa pela minha cabeça, porque eles tiveram boa educação. Eu fui um pai presente, então não corro esse risco". Ou seja, homossexuais são pessoas mal educadas, por pais ausentes. Ai, meu sais... Leia também: Bolsonaro provoca Jean Wyllys com declarações homofóbicas.

Essa amiga é uma das pessoas mais inteligentes que conheço. Não apenas tem o QI acima da média, como também possui uma enorme sensibilidade e talento. E é linda! Ah, só para constar, também foi muito bem educada.


CC Flickr - philippe leroyer

O que eu diria a ela?
Que se alguém deixar de se relacionar com ela por sua opção sexual, que agradeça. Sinceramente, agradeça. Porque imagino que não seja desse tipo de pessoa que ela queira a amizade, mas sim de pessoas que aceitem os amigos como são. E aceitem de verdade.


Julgamentos, preconceitos? Precisamos repensar sobre eles, porque duvido que qualquer ser humano que esteja lendo este post nunca tenha sido injustamente julgado ou alvo de preconceitos por algo, mesmo que se considere tendo uma conduta irrepreensível - e, talvez, até por isso mesmo.

Duas coisas para termos sempre em mente:

  • Meu ponto de vista é apenas a vista de um ponto, e não existe verdade absoluta. Os meus julgamentos são meus: vistos sob os referenciais de outras pessoas, eles podem estar equivocados.
  • Atire a primeira pedra quem nunca pecou. Então, mesmo que você considere a homoafetividade um pecado, que não aceite discutir as premissas que lhe levam a acreditar nisso, é preciso respeitar quem questiona e aceitar as diferenças. Como eu disse antes, não importa o que é certo ou errado, mesmo porque isso é muito relativo. O que importa é o respeito. 

Atualização: 
Por unanimidade, o Supremo reconheceu hoje a união estável de homossexuais. Para continuarmos a discussão sobre o assunto, leia a notícia que saiu há pouco no UOL e, em seguida, os vários comentários preconceituosos sobre ela. 

Comentários

  1. Olá Ana,

    Para começar, teu texto é brilhante,

    Comecei a entender a dinâmica da homossexualidade, de maneira mais clara e efetiva, após ler o livro de Jorge Andrea, psicanalista paulista, chamado Forças Sexuais da Alma. Ele fala a respeito dos vórtices sexuais..

    E deixo assinado abaixo, a minha concordância plena pelo respeito como tratasse o tema.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. O preconceito é prova de ignorância. Confesso que ultimamente tenho me surpreendido com alguns casos de saída do armário e um deles, foi o ex de uma amiga. O casamento esfriou e eles tentaram de tudo, daí na terapia de casal, surgiu a questão da homossexualidade que ele não trabalhou na época que descobria o sexo. Mas daí, eles ainda se amam, mas um amor que o sexo não se encaixa. Será que necessariamente precisa haver sexo para duas pessoas se amarem ou nós que misturamos tudo?
    A mesma coisa dentro das relações de amizade, parentesco, profissional... Por vinculam as escolhas sexuais ao caráter?
    A aprovação das leis são necessárias quando o comportamento social passa a exigir normas. As Leis nunca se antecipam! O Supremo veio apenas normatizar o que já está acontecendo, portanto, foi pelo zelo jurídico e pelo respeito às garantias de igualdade entre os cidadãos.
    Beijus,

    ResponderExcluir
  3. Minha amiga, ler esse texto só confirma que a inteligência e sensibilidade são atributos genuinamente seus! Muito obrigada pela sua amizade... Você é uma pessoa rara, querida e admirada! Um beijo enorme e parabéns pelo lindo blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…