Pular para o conteúdo principal

Sardas em crianças - Morango Sardento

Crianças com sardas são uma graça, mas nem sempre elas próprias acham isso. Por esta razão, as sardinhas são uma preocupação para muitas mamães. Neste post, falaremos um pouco sobre elas e traremos uma sugestão de literatura infantil - recomendada para crianças com e sem sardas.

Sardas nada mais são do que uma pigmentação na pele. Aparecem em pessoas com predisposição genética; geralmente, ruivos de pele clara. Não estão relacionadas a doença e nem causam dor, ou seja,  não exigem cuidados além do uso de protetor solar.

O filtro é muito importante, principalmente no verão, uma vez que o sol escurece as manchas. Além disso, por se tratarem de pessoas com peles sensíveis, podem estar mais propensas a desenvolverem câncer de pele no futuro. Que fique claro: não há relação do câncer com as sardas, mas sim com a sensibilidade da pele e a exposição solar.

Existe tratamento para clarear as sardas, mas não é recomendado para crianças. Ou seja, os pequenos precisam conviver com elas. E, o mais difícil: conviver com elas e com outras crianças. Como sabemos, as crianças gostam de enfatizar as características pessoais dos amiguinhos - como diriam alguns, "crianças podem ser muito más".



Se você vive isso com seu filho ou filha, super recomendo que leiam juntos o livro Morango Sardento, no qual a premiada atriz hollywoodiana Julianne Moore retrata a relação não muito amigável que tinha quando criança com as suas sardas. Uma história divertida que nos mostra o que devemos valorizar na vida: "Quem liga com um milhão de sardas, quando se tem um milhão de amigos", diz a personagem.

A autora e atriz Julianne Moore.
Um colega de faculdade dizia que eu era a cara dela.  Vocês acham?

Interessante o fato da tradução do livro ter sido feita pela atriz Fernanda Torres e a quarta capa da edição brasileira trazer o seguinte depoimento da linda-e-sardenta-super-atriz-global Débora Bloch:

Gostei muito deste livro porque eu também fui um "morango sardento" quando criança. Era chato porque eu adorava ir à praia, mas ficava toda vermelha e mais sardenta ainda. Eu achava feio ser sardenta. Agora que já sou adulta, tenho uma filha que não tem sarda e acha as minhas sardinhas lindas. Ela vive dizendo que queria ter sardinhas, igual a mim. Quando a gente é criança, sempre pensa que é melhor ser diferente do que a gente é. Mas quando cresce, descobre que tanto faz. Débora Bloch

Debora Bloch. Foto de hique CC. 


O ponto negativo é que o livro Morango Sardento é caro: custa R$ 45,00. Pode ser comprado diretamente no site da COSACNAIFY.


Se você já leu o livro, tem uma experiência pessoal para contar ou simplesmente gostaria de falar algo sobre o assunto, seu comentário será muito bem-vindo abaixo. Participe!


Leia também:




Fontes:

Comentários

  1. Olá Ana,

    Minha esposa, mesmo com a pele morena tem sardas.. e minha filha, com a pele clara as herdou..

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Ana, lembro-me muito bem de quando estava no Ensino Médio e tirávamos muito sarro nas meninas que tinham sardas. Uma crueldade normal entre crianças... bem... tínhamos bastante idade para sermos considerados crianças. Mas o que marcou mesmo minha infância era um amigo que tinha uma mecha grisalha no cabelo. Não sei o nome disso, mas era muito estranho... 16 anos e aquele tufo de cabelo branco. Enfim, todos temos algo que não nos agradou no infância... Uns mais outros menos.
    Abraço e seu texto figurará no meu post do Quero Aprender de logo mais. Abraço e parabéns pela postagem.

    ResponderExcluir
  3. Olá Ana

    Adorei seu post, pois sou morena de cabelo enrolado e ainda com sardas, usando óculos, imagine o que passei quando criança, meu apelido era moranquinho rsrsrs. Tenho muito orgulho delas, nunca as escondi ou quis retirá-las, pelo contrário, rs. Hoje muitas pessoas chegam e falam que são o meu charme. O marido gosta bastante também, tanto que uma foto do nosso casamento o fotógrafo retirou as sardas, o meu marido não se conformou ... mas é isso. Precisa-se trabalhar com as crianças sobre isso e dizer que elas não são diferentes por terem sardas, por usarem óculos, por utilizarem aparelhos.

    Parabéns pelo blog
    Ana

    ResponderExcluir
  4. antigamente passavam água do arroz pra tirar as sardas das crianças, o pior é que... nas pessoas que conheço funcionou!

    acho tão bonito pessoas com sardas *__*

    já sofri na infância por casa da pele, mas não tinha nada a ver com sardas, é que eu era muito muito branca, ainda sou branquinha mas não tanto.
    maldita gente preconceituosa do interior! diziam que eu era doente, e eu acreditava.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eh esse tratamento com agua de arroz? Kk eu tbm gosto das mhas pintinhas... Mi axo mto gata kkkk

      Excluir
  5. Oh, revivi minha infância, agora hahahaha ... Sou morena clara, filha de mãe européia e pai afro-brasileiro e tenho minhas sardas de estimação. As poucas que me restaram, no entanto, pois também vítima da gozação dos coleguinhas, exigia que minha mãe me comprasse potes de anti-sardina e me lambuzava de água de arroz, desde meu primeiro ano na escola...Infelizmente deu certo: perdi uns 50% das pintinhas... Mas hoje me sinto feliz por ter meu próprio colorido especial. Ah, já tive apelidos fofos como joaninha e oncinha, mas o da infância era o terrível "tô-fraco", que é também o das galinhas d'angola, aquelas pintadinhas kkkkkk. Bjs pra tod@s!

    ResponderExcluir
  6. EU SOU BEATRIZ,TENHO 10 ANOS E SOFRO COM A SARDA, PUCHEI DE MINHA MAE QUE TAMBEM TEM,EU ODEIO SARDA E QUERIA SABER DE UM TRATAMENTO QUE EU PUDESSE FAZER PARA ELIMINAR ESSAS SARDAS. PARABENS PELO BLOG ANA. BJ!

    ResponderExcluir
  7. Que coincidência também me achamo Beatriz!tenho dez anos e tenho sardinhas que puxei da minha mãe!eu gosto das minhas,e esse tratamento de agua do arroz funciona?como?você faz o arroz e a agua dele que você coloca na cara as sardas desaparecem?nunca ouvi falar.você pode explicar direito esse tratamento

    ResponderExcluir
  8. olá! eu tinha e tenho sardas! muitas, a minha mãe é mulata e tem sardas bem escuras e eu herdei dela! nunca fui discriminada por isso, o fato de eu ser mestiça incomodava mais as pessoas...enfim.
    Gosto muito das minhas sardas, hoje são a minha marca própria hehehe!

    ResponderExcluir
  9. Tenho sardas e elas sempre foram minhas inimigas desde pequenas, quando na escola meu apelido era de bananinha pintada,meus coleguinhas de escola me excluia. Só o fato disto cresci me achando a pessoa mais feia.Creci uma pessoa muito timida pois imagino que todos me acham feia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…