Medos: aprendendo a enfrentá-los

No post Medo de barata - transtorno sexual ou alergia? vimos que alguns medos, mesmo que aparentemente injustificados, possuem uma causa. O medo de barata não é considerado grave e, por isso, a pessoa que sofre com ele pode escolher se deseja tratá-lo ou não. Por outro lado, existem medos que podem atrapalhar (e muito) nossas vidas. Esses merecem ser olhados com atenção. Seja qual for o seu, leia neste post algumas dicas para perder o medo.  


sarah azavezza - Flickr CC

Medo de avião

Para exemplificar um tipo de medo que provoca transtorno em nossas vidas, trago o caso de uma amiga que sofre com Ptesiofobia, ou seja, medo de voar de avião. Ela já perdeu boas oportunidades profissionais e de lazer por evitar o transporte aéreo, apesar de conhecer as estatísticas: sabe que o risco de andar em seu carro diariamente é muito maior do que o que ela corre dentro de um avião. 

Quando sofremos com um medo desse tipo, que impacta negativamente nossa qualidade de vida, precisamos buscar superá-lo. Embora pareça senso comum, é cientificamente estudado que, para vencer um medo, é preciso encará-lo de frente. Não existe outra forma.

Não quero! Não quero! Não quero! Claro, a pessoa que tem uma fobia ou medo excessivo de algo busca evitar as situações que lhe causam esse desconforto, mas é exatamente este o tratamento mais eficaz: a exposição ao medo.

Muita calma nessa hora: isso não quer dizer que se você tem medo de baratas deva ser jogado num quarto cheio delas [pesadelo]. Você precisa passar gradualmente pelas fases denominadas dessensibilização e exposição. Vejamos um exemplo relativo ao medo de andar de avião, que serve também para os outros tipo de medo: 

Dessensibilização e exposição: É preciso muitíssima força de vontade até para chegar perto de um aeroporto quando você sofre de medo de voar. Uma forma de amenizar a ansiedade originada do medo de voar é um processo chamado dessensibilização. Neste processo, você deve criar descrições muito elaboradas de situações nas quais você sentiu um medo intenso de voar. Seja tão específico quanto possível, inclusive expressando graficamente estas situações. Então, quando o medo estiver presente novamente em sua mente, utilize técnicas de relaxação para dissolver o medo. Continue com estes exercícios, até ter enfrentado todos os medos do seu passado imaginativamente e dominado-os através da relaxação.

Depois de ter confrontado seus medos através da dessensibilização, e igualmente reunido informações positivas sobre viagens aéreas, seu último passo deve ser fazer mais uma tentativa com a situação real. Reúna coragem e comece a fazer viagens curtas com amigos e familiares que podem lhe dar conforto. Fortalecido por seus novos conhecimentos sobre aviões e aeroportos, você será capaz de erradicar seu medo de uma vez por todas, através da exposição. Fonte: Como superar o medo de voar: tratamento para fobia, para voar sem medo

Dicas para vencer o medo


  • Dica 1: Para aprender a lidar com seu medo, você precisará conhecê-lo e aceitá-lo. Não subestime ou invalide um medo que sente.

  • Dica 2: Lembre-se: pensar no que nos amedronta às vezes é muito pior do que a situação em si. Quantas vezes perdemos o sono por causa de algo, e ao passarmos pela situação pensamos que não foi tão ruim como imaginávamos que seria? Quantas vezes sofremos desnecessariamente? A dica é:  ajustar nossas expectativas à realidade. Uma forma de fazer isso é buscando referências sobre o assunto, como vivências anteriores, fundamentação teórica ou relatos de outras pessoas. Mas atenção: seja criterioso em relação ao que ouve das pessoas ou lê na internet.

  • Dica 3Procure dar ao seu medo o tamanho exato que ele tem. Esta dica está relacionada com a anterior, mas merece ênfase. Lembra da cena que a Branca de Neve foge para a floresta quando o caçador não tem coragem de matá-la? Assista abaixo:




No exemplo do desenho, as árvores são apenas árvores, não monstros. São galhos no que ela esbarra, e não mãos segurando seu vestido. Os jacarés são apenas troncos na água. Os olhos ameaçadores são apenas olhos de animaizinhos fofos. O fato é que Branca de Neve está assustada e, por causa disso, vê coisas que não existem e distorce coisas que existem. Fazemos isso com frequência em nossas vidas, não? Minha filha de 3 anos explicaria a você tudo isso ao assistir essa parte do filme. =)

  • Dica 4: Lembre-se da dessensibilização e da exposição apresentadas no exemplo do medo de voar. Na primeira, comece (re)vivendo seus medos em sua mente. Exercite lidar com eles, acalmar-se será uma questão de autoconhecimento e autocontrole, os quais você só alcançará com a prática. Pratique primeiro dentro de sua cabeça, no conforto de um lugar no qual se sinta seguro, simulando as situações estressoras. Quando tiver alcançado o autocontrole na simulação, parta para eventos reais, preferencialmente acompanhado por alguém que lhe dê segurança.

  • Dica 5: Em alguns casos, você precisará de ajuda para encarar as situações que lhe amedrontam. Psicoterapiamedicamentos e florais são algumas alternativas de suporte nos processos de dessensibilização e exposição. A amiga que citei fez um tratamento com hipnose que ajudou a minimizar o problema.

No próximo post, compartilharei com vocês como a técnica da exposição ajudou-me a superar um trauma de infância: medo de exame sangue

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

Próximo
« Anterior

1 comentários:

Write comentários
24 de maio de 2011 23:00 delete

Ana Flor, comentei a importância de enfrentarmos nossos medos e você trouxe nesse dicas valiosas nesse processo de enfrentamento das nossas dificuldades. Convivendo diariamente com alunos que precisam apresentar trabalhos, fazer teatros e muitas outras coisas do contexto escolar, sei como é difícil enfrentarmos situações que nos tiram da zona de conforto. Mais uma vez, você traz um post que atende os anseios de uma grande quantidade de leitores e mostra mais uma vez que é alguém altruísta, humana e verdadeira, pois enfrentar os próprios medos e relatar isso é também um ato de coragem.

Reply
avatar

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos. EmoticonEmoticon