Pular para o conteúdo principal

Você obriga seu filho a comer?

Minha casa não é diferente da maior parte das outras: frutas, legumes e verduras não são do agrado da minha filha, hoje com 3 anos de idade.

A questão é: a criança precisa comer bem, né? Mas o que fazer quando, mesmo com toda a criatividade e paciência materna, ela se nega?



Semana passada tivemos uma experiência que me fez, mais uma vez, refletir sobre isso. Na janta, a filhota não queria comer o arroz com vagem - único verde que havia no prato. Apelei para chantagem (que pedagoga de araque eu sou!), considerando que ela está se esforçando para ser bem comportada, com vistas a um presente que deseja ganhar da avó.

Ela comeu numa boa, disfarçando a careta, portando-se como uma lady. Até que... vomitou. E não foi simplesmente colocar a comida pra fora. Ela vomitou de jorrar em mim, em grande quantidade.  
Na hora pensei: "Por que estou submetendo minha filha a esta violência?" 

A resposta é óbvia: porque é importante ela aprender a comer. Mas será mesmo que um pratão (ela come o dobro do que eu como) de arroz integral, feijão, peito de frango grelhado e purê de batata ou abóbora não é uma alimentação suficientemente saudável? As nutricionistas diriam que não. No entanto, começo a questionar o que é pior.

Amanda, minha filhota linda, com 1 aninho

Até os 18 meses de idade, ela comia grande variedade de verduras e frutas. De repente, começou a recusá-las. Continuamos preparando esses alimentos e oferecendo. Mas nada.

A única fruta que ela come hoje in natura é banana. Por vários meses eu mandava outras variedades de frutas para o lanche da escola. Orientava a professora que, se ela não comesse, não oferecesse mais nada. Ela ficava com fome, mas não comia. 

Cansada de desperdiçar comida e de deixá-la sem comer a tarde toda, desisti. Hoje mando apenas a banana mesmo. Ou papinha de ameixa da Nestlé - a única que ela aceita. Ok, sei que a papinha não é o ideal. Mas é uma variação. E considerando que minha filha não come sanduíches, salgadinhos, iogurtes, biscoitos doces etc, toda variação é bem-vinda.

Felizmente ela aceita muitos sucos naturais, o que garante os nutrientes. Por outro lado, o Dr. Alexandre Feldman defende de forma consistente que tomar sucos, mesmo espremidos da fruta na hora e sem açúcar, é prejudicial à saúde e deve ser evitado: Dr. Feldman - Sucos e Enxaqueca.


Com a palavra, Pat Feldman, autora do blog Crianças na Cozinha:

Na minha opinião forçar uma criança a comer é o pior que se pode fazer. Brigar, gritar, castigar só faz com que a criança associe a hora da refeição a um momento desagradável e queira evitá-lo ainda mais. A hora da refeição deve ser calma e alegre, sempre!
A refeição tem hora certa. E depois do horário de refeição quem comeu, comeu; quem não comeu, espera a próxima refeição. Naturalmente, e não como um “castigo”. Caso contrário, pode ser que o seu filho não come agora, porque sabe que daqui a pouco vai ganhar aquele docinho ou bolachinha que era o que ele mais queria. Nutrição zero! Disciplina zero! Nenhuma criança fica doente ou desnutrida se pular uma ou duas refeições! Pat Feldman em Meu filho não come

Minha filha não come "docinho" nem "bolachinha".  Pra ela, gostoso mesmo é biscoito de gergelim e linhaça ou pão de quinoa germinada (ela ama!). Nas festas, um brigadeiro é mais do que suficiente. Gosta de chocolate, mas come muito raramente. Comemos pouquíssimo açúcar aqui em casa.

Batata frita? Em casa, corto as batatas em palito e asso no forno (ela não repara na diferença). Na rua, quando ela insiste, peço o prato sem a porção de fritas e solicito que coloquem apenas quatro palitinhos (o que a deixa bem satisfeita).

Sobremesa pra ela? É pão. Adora! Mas só come puro - não quer nem saber de manteiga, requeijão ou frios.

Mas, apesar de tudo isso, não aceita alimentos novos e rejeita frutas, legumes e verduras.

Por isso, mesmo não sendo o recomendado, acabo camuflando os nutrientes na comida. Assim, ela come arroz integral cor-de-rosa de princesa (preparado com beterraba) - ou verde ou laranja.  E muita coisa cozida e esmagada junto com o feijão.

Angústias de mãe.
Só mudam de endereço?


Recomendo a leitura:

Comentários

  1. Oi, Ana.
    Sim. Só mudam de endereço. A angústia é tamanha durante essa fase de inapetência, que decidimos (eu e uma amiga) fazer um blog para desvendar o mistérios da alimentação infantil. Mas a boa notícia é que essa fase, como todas, passa. Ufa!
    Adorei o post.
    Patricia
    www.comerparacrescer.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana,

    concordo com as dicas da Pat Feldman.
    Acho que realmente jamais deve-se obrigar uma criança a comer qqr coisa, mas isso não significa que não se deve insistir. Muito pelo contrário.

    Não sei o que acontece a partir dos 2 anos, mas as crianças mudam em relação a aceitação dos alimentos. Deve ser alguma coisa a ver com o desenvolvimento da linguagem. Porque tudo vira motivo para não experimentar: a textura, a cor, o nome do alimento, a forma do prato...

    O mais importante de tudo é conseguir estabelecer um acordo de confiança com a criança, para que ela experimente as coisas e saiba que possa recusar ou aceitar livremente. Tenho uma filha de 4 anos que experimenta de tudo, mas obviamente que quando ela fala "não gosto" sou a primeira a recolher o alimento. Mas isso não quer dizer que ela recusou o ingrediente... muitas vezes volto a oferecê-lo com uma receita ou tempero diferente e ela gosta. Abs.

    ResponderExcluir
  3. Ana, todos os legumes eu mando bater junto com o feijão, que eles comem toda noite. Então é feijão com abóbora, maxixe, chuchu e etc.
    Frutas os meninos comem. O Arthur praticamente só come maçã e mamão, mas todo dia comem no lanche da tarde (se não comer a fruta, não tem biscoito, eles já sabem disso e nem reclamam - incorporaram).
    Bjs
    Dri*

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana, meu filho de 3 anos há uns 6 meses não quer mais comer. Se eu deixar almoça e janta balas. Nada funciona. Como ele fica na escola em período integral, a solução foi deixá-lo jantar na escola, cuja cardápio é elaborado por nutricionista. E junto com os amigos ele come de tudo. Deixá-lo sem comer e quando ele queixa de fome oferecer comida funciona, mas é um estresse enorme pra mim. Ele parece não estar nem aí. Já ficou um dia inteiro sem comer. O que me consola é que não é privilégio meu, uma vez que atendo várias crianças nessa faixa etária com anemia carencial pq não comem. E não sou a única que não sabe o que fazer. O que digo pras mães dos meus pacientes? Que devem ter muita paciência e imaginação pra fazer os filhos comerem. E que devem evitar de comprar as ditas "porcarias" pelo bem dos filhos. Na grande maioria das vezes, com muito "suor" da mãe, funciona, e consigo dar alta com a anemia curada. Mas se alguém tiver uma solução melhor, por favor, compartilhe a fórmula!!!! Meus pacientes e eu agradecemos. :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Minha filhade 3 anos e meio também não come nada. Rejeita os "verdinhos" do prato, seleciona as frutas (só come maça e abacate batido com laranja, limão e açúcar) e as vezes papinha de frutas da Nestlé. Eu compenso dando sopa todas as noites onde bato as verduras e legumes junto com carne ou frango. Nem porcarias ela gosta muito. Batata-frita e chocolates não são recompensas para ela. Pode até comer, mas fica muito bem sem isso também. Eu acabei apelando para o castigo. Se ela quiser ficar o dia inteiro sem comer, vai ficar o dia inteiro no quarto sem brincar ou ver algum desenho. Vou fazer isso alguns dias e ver no que dá... Já tentamos de tudo o que foi falado acima e não tivemos nenhum resultado. Infelizmente chegou a hora de radicalizar... Me dói o coração, mas vamos ver quem vai se cansar primeiro. Hoje é o primeiro dia que ela está de castigo desde a hora do almoço. Ela chorou, disse que preferia o castigo à ter que comer. Quero ver por quantos dias ela irá aguentar.... Agente fala sério com ela, sem gritar, sem nada. Ela entende que estamos chateados, chora, mas deixa claro sua preferência em ficar sem comer. Nós estamos respeitando e ela está acatando nossas ordens. Realmente estou curiosa para ver o desenrolar deste método. Depois eu conto para vocês.

    ResponderExcluir
  6. Oi ana minha filha é pior comida so fejao e arroz e de vez enquanado ela aceita alguma carne,frutas nem pensar,verduras e legumes.e nao é somente pra coisas saudaveis,para bobagens tb.nao gosta de sorvete refrigerante bolo .o problema dela é queela nem se quer experimenta.houve uma epoca que terntei forçar ela experimentar colocando nos labios quando destraida resultado vomito.ja tentei de tudomisturar em bolinhos ,arroz etc
    o unico suco que ela toma é aquele de soja de caixinha somente sabor maça e pessego.Ate leite tem que ser puro se mudar a cor ela nao toma.Acho que a cor favorita dela é branco por que se sai do branco ela nao aceita

    ResponderExcluir
  7. A minha filha de 4 anos colegas a 1 ano nao come arroz nem toma leite ..nem. De soja Estou desesperada pq ela nao e magra mas se cansa fácil em toda atividade parece sem energia.já levei no pediatra nada nenhuma vitamina resolveu .existe algum especialista pra esses casos.?ela se nega com veemencIa ate vomita se vc insiste..Em tocar no assunto .oque fazer naum tem adiantado insistir com palavras .mas nao posso obrigar .mas faz muita falta o leite nessa fase? Quem poder me ajudar agradeço desde Ja.estou muito deprimida com isso ta me atrapalhando no trabalho.estou muito preocupada.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…