Pular para o conteúdo principal

Controlando pensamentos destrutivos: como gerenciar sentimentos, pensamentos e ações

Já leu os posts anteriores de nossa seção Relacionamentos?


A questão agora é: como controlar os pensamentos destrutivos que insistem em nos acompanhar nesses momentos difíceis?






1. Primeiro, controle sua AÇÃO.

É lógico que você não conseguirá de uma hora para outra controlar seus pensamentos. Óbvio que quando vir a sirigaita que roubou seu homem terá vontade de arrancar os olhos dela. Óbvio que terá desejo de vingança dele porque não te quer mais.

Neste primeiro estágio, não se preocupe com isso. Permita-se pensar. Não se culpe.
Apenas, NÃO AJA. Segure-se. Não fale nem faça nada que concretize seus pensamentos.

Acredite em mim: temos muito maior auto-controle sobre nossas ações do que sobre os pensamentos.
Vai chegar um momento, que você nem precisará mais pensar consigo mesma: "Não faça isso, controle-se, ame-se, você é superior". Você simplesmente, com o exercício diário, num belo dia não terá mais o ímpeto de agir.
Aí estará pronta para o próximo estágio...


2. Policie seus PENSAMENTOS.


Você já não age mais por instinto, não perde mais a razão, mas isso ainda lhe afeta, lhe consome em pensamentos.
É hora de começar a trabalhá-los. Distraia-se. Concentre-se em outra coisa. Reze. Escolha uma música ridícula para cantarolar nessas horas. Pense em compensações, coisas que a situação pode, de alguma forma, trazer de bom (o famoso "jogo do contente").

Repito o que disse no post anterior, nessas horas a religião ajuda bastante, porque ela inscreve em nós bem fundo princípios morais. Quando nos afastarmos deles, podemos buscar nossa consciência e rezar (ou cantar músicas religiosas) até o pensamento obsessivo esvair-se. Em algumas religiões, existem até tratamentos espirituais os quais você pode procurar.

Sem problemas se você não tiver uma religião: princípios éticos e morais você tem, não? Nunca deixe de observá-los. 

Já está conseguindo, de alguma forma, policiar os pensamentos? Então...


3. Invista no controle de seus SENTIMENTOS.

Na primeira fase, isso seria impossível. Agora, já não é.

Conheça a você mesma, como funciona, o que lhe tira do sério, o que machuca mais. Eu tenho algumas estratégias para evitar o que chamo de acidentes: sei o que me faz mal, o que devo ou não devo ler, ver e ouvir. E evito essas coisas.
Se preciso deparar-me com elas, criei minha própria estratégia para me acalmar. Cada um precisará encontrar a sua. Acho difícil que a minha funcione com mais alguém: penso no meu fígado e em quanto quero protegê-lo das toxinas geradas pelo cérebro em situações de stress. Se você não amar tanto seu fígado como eu, não vai funcionar pra você. Mas, a propósito, saiba por que você deveria amá-lo.



Na prática, ação-pensamento-sentimento formam um bloco. Você terá de lidar com os três sempre. Mas fica mais fácil se você se concentrar num de cada vez, de forma gradual.

Sei que você, como uma mulher de verdade, optará por não sofrer e tentará, dia-a-dia, agir para livrar-se dessa situação da melhor forma possível. Não é fácil, mas nós podemos! 

Não??? Insiste em martirizar a si própria? Desculpe, mas então acho que é melhor você voltar a este blog em outro momento. 

Lembrando apenas que, como muito bem escreveu a @Nospheratt, o amor não é para fracos (leia).

Tem dicas para superar esse momento? O que funcionou com você? O que foi (ou está sendo) mais difícil? Compartilhe conosco!

Comentários

  1. Olá!
    Muito bom.
    Hoje para mulheres modernas, cheia de atividades e interesses, gerenciar a pensamentos e açoes destrutivas é fundamental!
    Escreva mais! Você escreve bem e adorei os temas!
    Espero sua visita e opinião:
    http://draclaudiabenevides.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Acho que o mais difícil é aceitar que:

    Nossos sonhos não existem mais. Agora são os sonhos DELES
    Nossos projetos, agora são projetos DELES
    Nossos planos, agora são planos DELES
    Nossos passeios, agora são passeios DELES

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários dos leitores e leitoras são muito bem-vindos, pois enriquecem o blog com diferentes pontos de vista e relatos de experiências.
Mas estejam atentos às regras básicas de ética e boa convivência. Comentários em desacordo com elas ou que fujam ao tema do post poderão não ser aceitos.

Postagens mais visitadas deste blog

Medo de barata - transtorno sexual ou alergia?

Ver uma pessoa gritando diante de um inseto de cinco centímetros que não morde nem ataca seres humanos pode parecer irracional. O que muitos não sabem é que existem teorias que explicam o medo de barata, que acomete principalmente mulheres (mas também alguns homens).


O medoDe modo geral, ter medo é natural e até uma questão de sobrevivência. Por exemplo, o medo que nos leva a dirigir com as janelas do carro fechadas e a estarmos atentos à nossa volta ao pararmos na sinaleira pode evitar que sejamos pegos desprevenidos por um assaltante. No entanto, alguns medos podem prejudicar-nos em muitos aspectos de nossas vidas, como aqueles que se transformam em fobias.


Este post sobre o medo de barata é o primeiro de uma série de três. Na sequência dele, falaremos ainda sobre o enfrentamento de medos, como o medo de voar de avião e o medo de fazer exame de sangue. Compartilharemos também algumas dicas para perder o medo, que podem servir para qualquer tipo deles.

Medo de barata
Confesso a vocês qu…

A difícil tarefa de educar uma criança

Antes de eu ser mãe, as pessoas costumavam invalidar minhas opiniões sobre a educação de crianças - mesmo eu sendo pedagoga, ou seja, formada em Educação. Isso não valia para elas, pois teoria é teoria e prática é prática. Também não era válido o meu longo histórico de ótimo relacionamento com crianças, porque cuidar dos filhos dos outros não é educar. 

Pois bem, em parte elas tinham razão: "quem fala de sangue, e não está sangrando, é um impostor", já dizia Fernando Sabino. Em partes. Porque, agora que eu sou mãe, não só acredito nas mesmas coisas como também vejo-as reforçadas na prática. O que quer dizer que, mesmo não tendo passado pela experiência da maternidade anteriormente, as minhas vivências, a minha sensibilidade e o meu estudo tornaram-me apta para formar algumas ideias sobre o assunto. 
Se eu sei tudo sobre como educar uma criança? Se eu faço tudo certinho como mãe? Obviamente que não. Mas, como a maior parte das mães, eu tenho sempre a melhor das intenções. ;)

Encantos e perigos de um homem histérico

Eros quando solteiro foge diante de um possível relacionamento profundo. Mas gosta de manter uma mulher apaixonada sem assumi-la (pela necessidade da certeza de ser amado). Eros histérico continua freneticamente seu jogo de sedução, porém, finalizada a sedução ele não sabe mais o que fazer, ali entra em territórios desconhecidos. Evita um vínculo mais sólido porque seria deparar-se com a sua impotência diante de algo ou de uma situação e dessa forma fica evidenciado aquilo que poderia ter sido e não foi: o verdadeiro homem.
Toda mulher com uma relativa experiência afetiva é capaz de reconhecer perfis de homens com os quais se deve estar alerta. É quase como se uma luz piscasse com o texto: "Perigo! Mantenha distância".  Apesar disso, não raro envolvem-se com eles mesmo assim e saem chorando no final.
Dentre esses perfis evitáveis que simplesmente não conseguimos evitar, está o que a Senhorita Patinete chama de  Heros histérico. Hoje entenderemos melhor como funciona esse tal…