Competição entre Mulheres - Podcast Apenas Mulheres de Verdade #4



Diz o senso comum que as mulheres são competitivas, que são falsas pelas costas das outras... mas será que isso é mesmo verdadeiro? Esse é o tema do quarto episódio do podcast Apenas Mulheres de Verdade. É só dar o play abaixo.




Photo by Vadim Fomenok on Unsplash

Lady Gaga - Podcast Apenas Mulheres de Verdade #2


No segundo episódio do podcast Apenas Mulheres de Verdade, falamos de uma mulher que arrasou no Oscar 2019: Lady Gaga. O que está por trás daquele discurso? Com direito à história de quando levei um tapa na cara dos meus preconceitos ao ler sua biografia em 2016 e um segredo... por que eu tenho interesse pela Lady Gaga?   


Aqui está a foto do Instagram que comento no episódio :D




Dá o play abaixo, mana!





Se tiverem curiosidade, o look de camisinha que também comento com vocês no podcast ilustra o final de um post polêmico que escrevi em 2011 e já teve 16 mil acessos: Falando francamente sobre camisinha

Apresentando - Podcast Apenas Mulheres de Verdade #1

Às vésperas do blog comemorar oito anos de existência, nós desafiamos o tal inferno astral e lançamos duas novidades: nosso perfil no Instagram e o podcast Apenas Mulheres de Verdade.

Crédito da Imagem: unsplash-logoJuja Han

Neste primeiro episódio, apresentamos um pouco do blog e damos uma palhinha do tipo de conversas que teremos por aqui. 

Seja muito bem-vinda! É só dar o play abaixo, mana!

Chutney indiano de coentro e hortelã

Meu marido é indiano e uma das coisas que ele mais sente falta morando no Brasil é da comida da Índia. O Chutney indiano de coentro e hortelã é um dos preferidos!


Sorte dele que é uma receita simples de preparar, e encontramos facilmente todos os ingredientes no Brasil.

O que surpreende na receita desse chutney é a diversidade dos ingredientes. Eles misturam coisas que a gente jamais misturaria - acho que é isso que faz a culinária indiana tão intrigante.

Esta receita foi retirada do livro Aneri My Favorite Recipes, de Nayana Shah (adaptada por mim). 


Chutney indiano de coentro e hortelã

Ingredientes:
1 copo de folhas de coentro bem picadinhas
1/2 copo de folhas de hortelã também bem picadas
6 cabeças de alho trituradas  [eu coloco só uma, porque acho muito forte]
Sal a gosto
1 colher de chá de gergelim
2 colheres de chá de coco desidratado
1 colher de sopa de nozes
3 colheres de sopa de açúcar
1 limão
4 pimentas verdes
1 pedaço pequeno de gengibre
1 colher de sopa de semente de cominho 

Modo de fazer
Bater tudo no liquidificador até ficar uma pasta.

Manter na geladeira.

Minhas adaptações: coloco menos alho, uso cominho em pó e também pimentas em pó (pela minha falta de habilidade de medir a quantidade de pimentas frescas).



Apreciem! Mas lembrem-se: é comida indiana, então é forte ;)

Pedido para mães de meninos


A gente conversa muito sobre a importância do empoderamento feminino. Mas não basta empoderarmos as meninas sem olharmos também para os nossos filhos


Certa vez, numa discussão com mulheres do meu trabalho, uma colega falou algo sobre as meninas serem insensíveis e partirem o coração dos colegas apaixonados. Ela relatava o quanto era difícil ser mãe de menino e vê-los sofrendo. 

Tivemos uma conversa maravilhosa a partir daí. Eu trouxe a problematização que partilho com vocês agora: as meninas são "insensíveis" só porque não retribuem o amor do seu filho? Elas não têm o direito de amar quem elas quiserem e escolher namorar com quem quiserem? Por que as meninas (e nós mulheres) somos julgadas pelas nossas escolhas?

Meu apelo às mães de menino: por favor, ensinem a eles que as mulheres não são seres criados para satisfazer as vontades deles. Elas têm a própria mente, os próprios sentimentos, as próprias vontades. E isso deve ser respeitado. Se você ensina a ele que a menina ée insensível porque não gosta dele, compreende que assim a está julgando e desempoderando? Ela pode ser muito sensível e gostar de outra pessoa, que não seu príncipe, não é mesmo?         

Pode parecer uma coisa pequena, mas ela vira bem grande quando observamos o número de feminicídios no Brasil e no mundo, sendo que muitos desses crimes ocorrem quando companheiros e ex-companheiros justamente não aceitam/respeitam a vontade das mulheres.  

Quero trazer mais um exemplo: uma canção composta por um garoto de 11 anos, MC Bruninho - uma das revelações musicais de 2018. Ele é um fofo e tem uma vozinha muito gostosa. Suas canções fazem o estilo bregafunk ou batidão romântico. As melodias ficam na cabeça e as letras são inocentes e adequadas para crianças de 11 anos, como a minha filha.

Esta é a música "Jogo do Amor" - a letra está na sequência.


 


Jogo do Amor
MC Bruninho

Olha aonde eu vim parar
Mais uma vez, o coração se apaixonou pela pessoa errada
Mas como eu ia imaginar
Que no lugar do coração da princesinha não existia nada?

Tudo bem (tudo bem)
Você tá me ensinando mesmo sem saber
E é com teu desprezo que eu vou te esquecer
Espera mais um pouco e tu vai ver

O amor que eu sinto por você
Nada disso você deve entender
O teu jogo eu sei jogar, mas nunca vou ganhar
Porque você não sabe o sentido de amar

O amor que eu sinto por você
Nada disso você deve entender
O teu jogo eu sei jogar, mas nunca vou ganhar
Porque você não sabe o sentido de amar


Sempre que ouço essa música com minha filha, fico respondendo para ele:

Mas como eu ia imaginar
Que no lugar do coração da princesinha não existia nada?
Talvez ela tenha um coração, e ele apenas não seja seu.  ;)

O amor que eu sinto por você
Nada disso você deve entender

Ela pode entender e não retribuir, né?

O teu jogo eu sei jogar, mas nunca vou ganhar
Porque você não sabe o sentido de amar

E pode saber o sentido de amar... outra pessoa


Então, queridas mães de menino, acolham o sofrimento de seus filhos. Eles precisam de seu apoio ao encontrarem esse desconhecido mundo novo, gostoso e dolorido que é o amor. Mas, por favor, não coloquem a culpa do sofrimento no outro. O sofrimento faz parte da vida, a rejeição faz parte da vida, não ter tudo o que se quer, também faz parte da vida. Se queremos criar adultos saudáveis e felizes, esse ensinamento é fundamental.